Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Bolsonaro diz que nº de mortos na ditadura é igual ao do Carnaval

O candidato ainda ironizou a classificação do período como "ditadura militar" ao dizer que a imprensa trabalhava com liberdade

Bolsonaro diz que nº de mortos na ditadura é igual ao do Carnaval
Notícias ao Minuto Brasil

05:39 - 12/10/18 por Folhapress

Política Presidenciável

Em entrevista à rádio CBN nesta quinta-feira (11), o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) disse que o número de mortos e desaparecidos durante o período da ditadura militar é comparável ao de vítimas durante o Carnaval. O candidato ainda ironizou a classificação do período como "ditadura militar" ao dizer que a imprensa trabalhava com liberdade.

"Comparar o que aconteceu entre 1964 e 1985 a uma ditadura é o fim da picada. Desapareceram 400. Morreram pessoas em que circunstâncias? Hoje morre isso no Carnaval e e não se fala nada", disse Bolsonaro.

Relatório da Comissão Nacional da Verdade apontou 434 mortos no período entre 1946 e 1988. Em 2018, 103 pessoas morreram nas estradas no período do Carnaval.

Ele também defendeu aquele que identifica como seu ídolo, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, acusado por familiares de mortos na ditadura, ex-presos políticos e pelo Ministério Público Federal de crimes como torturas, assassinatos e desaparições forçadas.

"Quando você fala no coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, não teve nenhuma condenação transitada e julgada contra ele. Você não pode acusá-lo disso. Agora, o outro lado que cometeu barbaridades vocês nunca condenam. Eu sempre falei que houve excessos dos dois lados. Não defendo ditadura nenhuma, até porque ditadura militar, onde aparece a TV Globo em 1965 e revista Veja em 1968, a imprensa funcionava a todo vapor, pelo amor de Deus", afirmou Bolsonaro.

+Bolsonaro anuncia três ministros, critica a mídia e reafirma bandeiras

Sobre a série de agressões que têm sido atribuídas a seus eleitores, ele disse que não quer voto de pessoas que incentivam a violência, mas recusou-se a responsabilizar-se pelos atos."Foram 48 milhões de pessoas que votaram em mim, você quer que eu me responsabilize por elas?".

O candidato também disse não ter controle sobre as "fake news" favoráveis a ele e críticas ao concorrente Fernando Haddad (PT).

Sobre sua ausência em debates, dos quais têm evitado participar, ele foi além da recomendação médica e apontou outros motivos para não se encontrar com o adversário.

"Vou debater com Haddad ou com o Lula? Qual a autenticidade do Haddad?", argumentou. Com infomações de Folhapress.

Bolsonaro não vai a debates, mas tem participado de eventos após alta

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório