Meteorologia

  • 03 ABRIL 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Estreantes eleitos do PSL querem despolitizar governo e enxugar máquina

Candidatos do PSL venceram a disputa em SC, RO e RR; falta de experiência foi criticada na campanha

Estreantes eleitos do PSL querem despolitizar governo e enxugar máquina
Notícias ao Minuto Brasil

12:09 - 29/10/18 por Folhapress

Política Partidos

Puxados pela onda bolsonarista, três estreantes na política se tornaram governadores do PSL neste domingo (28).

Em comum, além do alinhamento partidário com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) -que venceu com folga nos três estados-, eles têm a quase inexperiência política e a promessa de combater a criminalidade e a corrupção, enxugando a máquina pública, diminuindo cargos comissionados e nomeando uma equipe técnica.

+ Representantes de Temer e Bolsonaro já se reuniram duas vezes

"Vamos implantar o jeito de governar do PSL, dessa nova onda da política", disse à reportagem Lucas Esmeraldino, presidente da sigla em Santa Catarina.

O estado elegeu como governador Comandante Moisés (PSL), 51, bombeiro da reserva que fez 71,09% dos votos e promete "despolitizar o governo", governando com servidores de carreira.

"As eleições mudaram, o povo mudou e a forma de fazer política também vai ter que mudar", afirmou o militar, após a vitória.

Uma de suas primeiras ações, segundo anunciou, será criar um grupo de trabalho para avaliar uma reforma administrativa do estado. Só depois ele pretende indicar o secretariado, que prometeu ser técnico.

Moisés, que se filiou em março, disputou sua primeira eleição -ele tinha 1% das intenções de voto nos primeiros levantamentos.

Foi o mesmo movimento que ocorreu com o Coronel Marcos Rocha, 50, candidato do PSL em Rondônia, que tinha 4% nas primeiras pesquisas e acabou eleito com 66,3% dos votos.

Rocha também tem credenciais militares, assim como Bolsonaro: foi oficial do Exército e policial militar.

Após a vitória, afirmou que o país vive "uma quebra de paradigmas", e prometeu fazer do combate à corrupção a sua prioridade. "Pisou na bola, está fora. Porque eu não devo nada a ninguém", disse.

Suas principais propostas são na área de segurança pública, em que promete aumentar o efetivo policial e criar unidades especializadas para a fronteira e o combate ao crime organizado. Na saúde e educação, o eixo fundamental é a transparência, com auditoria e promessas de cortes de gastos desnecessários.

"É um aspecto primordial para que sobre dinheiro, para investir nas várias áreas do estado", disse.

Em Roraima, estado mais afetado pela crise migratória de venezuelanos, o governador eleito é Antonio Denarium (PSL), 54, empresário do setor rural e que nunca atuara na política.

Ele fez 53,3% dos votos válidos. Presidente de uma cooperativa de pecuaristas, Denarium promete aplicar no governo "eficiência gerencial e planejamento". Quer cortar os carros oficiais de secretários e diminuir alíquotas de impostos, para fomentar negócios.

"Dinheiro há e muito; o que precisa é ser bem administrado", declarou, na noite de domingo. "Nosso propósito é acabar com a corrupção no estado, melhorar a qualidade do serviço público, atrair novos investidores."

Ao longo da campanha, opositores criticaram a inexperiência e o improviso das candidaturas.

Em Santa Catarina, o plano de governo de Comandante Moisés, que resolveu concorrer em cima do prazo, tinha apenas cinco páginas. Em Roraima, o adversário José de Anchieta (PSDB) acusou Denarium de ter dado "control C e control V" para copiar suas propostas ao longo do segundo turno.

Em ambos os estados, os candidatos do PSL faltaram ao último debate do segundo turno, nesta quinta (25) -Moisés, por condições médicas; Denarium, por acusar o adversário de denegrir sua imagem.

Para os adversários, a campanha estadual acabou nacionalizada, e o eleitor de Bolsonaro verticalizou o voto no 17. Para os eleitos, foi um voto pela mudança, e que refletiu o desejo de um novo projeto para o setor público. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório