Meteorologia

  • 14 NOVEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Ex-candidata relata ameaça armada de assessores de futuro ministro

Cleuzenir Barbosa (foto), que concorreu a uma vaga como deputada estadual pelo PSL-MG, relatou intimidação por não entregar dinheiro de fundo de campanha

Ex-candidata relata ameaça armada de assessores de futuro ministro
Notícias ao Minuto Brasil

10:39 - 19/12/18 por Notícias Ao Minuto

Política Eleições

Cleuzenir Barbosa, que foi candidata a deputada estadual pelo PSL-MG, relatou que está sendo ameaçada por dois assessores do deputado  Marcelo Álvaro Antônio, que será ministro do Turismo no governo Jair Bolsonaro.

De acordo com a colunista Mônica Bergamo, da Folha, a professora aposentada contou que foi pressionada por não entregar o dinheiro do fundo de campanha.

“Recebi R$ 60 mil do Fundo Especial de Financiamento de Campanha do partido. E os assessores do futuro ministro do Turismo queriam que eu transferisse R$ 30 mil para a conta de uma gráfica de Ipatinga. E sempre falavam em nome do Marcelo Álvaro”, contou Cleuzemir.

+ PF cumpre mandados de buscas na casa de Kassab, ministro de Temer

+ Bolsonaro promete tudo contra Cuba e Venezuela: ‘Dentro da legalidade’

A ex-candidata relatou também que a justificativa dos assessores era o pagamento do material de campanha. “Mas já estava tudo comigo porque o partido mandou. E certamente não custaram mais do que R$ 5 mil”, acrescenta Cleuzemir, que teria sido intimidada com uma arma de fogo quando se recusou a transferir o valor.

“Um deles chegou a tirar uma arma e colocar em cima da mesa durante uma reunião”, afirma.

Ainda segundo Bergamo, Cleuzenir prestou depoimento ao MPE-MG e fez um Boletim de Ocorrência em Governador Valadares, cidade onde ela vive.

OUTRO LADO

Marcelo Álvaro foi procurado, mas não retornou às ligações. À colunista Mônica Bergamo, o PSL de Minas Gerais disse que “o partido agiu dentro da forma da lei, sempre cumprindo a legislação eleitoral” e que não tem “nada de concreto sobre os fatos” denunciados por Cleuzenir, classificando como “fatos desconexos e sem materialidade”.

Leia também: Presos, seis deputados não são diplomados no Rio

Campo obrigatório