Meteorologia

  • 20 SETEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Raquel Dodge denuncia Pezão e mais 14 investigados ao STJ

Procuradora-geral pede também que os envolvidos sejam obrigados a pagar aos cofres públicos R$ 39,1 milhões como forma de indenização

Raquel Dodge denuncia Pezão e mais 14 investigados ao STJ
Notícias ao Minuto Brasil

15:31 - 19/12/18 por Agência Brasil

Política PGR

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou hoje (19) o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, e mais 14 investigados ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. 

Além da condenação dos acusados, a procuradora-geral pediu que os envolvidos sejam obrigados a pagar aos cofres públicos R$ 39,1 milhões como forma de indenização. 

+ Ministro do STF dá liminar que deve levar à soltura de Lula

+ Defesa entra com pedido de liberdade de Lula após decisão do STF

Pezão foi preso no dia 29 de novembro pela Polícia Federal (PF) em uma nova fase da Operação Lava Jato, no Rio. Segundo Raquel Dodge, o pedido de prisão foi necessário para “garantir a ordem pública, paralisando a prática de organizações criminosas em curso”. 

A operação tem como base depoimentos do economista Carlos Emanuel Carvalho Miranda, operador do então então governador Sérgio Cabral e delator premiado que detalhou o suposto esquema que teria garantido uma mesada de R$ 150 mil a Pezão, entre 2007 a 2014, período que este era vice-governador.

Na denúncia, a procuradora detalha o suposto esquema criminoso nos governos estaduais do Rio. Segundo a acusação, os desvios começaram em 2007, quando Cabral assumiu o cargo de governador, e empresas começaram a repassar 5% de propina ao esquema, principalmente, em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do governo estadual. 

Os advogados de Pezão sustentam que a prisão preventiva é ilegal e que ele sempre esteve à disposição das autoridades para prestar esclarecimentos. Para os defensores de Pezão, a prisão para evitar eventual risco de reiteração dos supostos crimes não se sustenta porque todos os demais acusados de integrar a "organização criminosa" já estavam presos. Com informações da Agência Brasil. 

Campo obrigatório