Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Flávio diz ser perseguido e nega desgaste no governo

Filho do presidente Jair Bolsonaro esteve na Câmara para fazer registro biométrico para o Senado. Ele toma posse como senador na sexta-feira (1º)

Flávio diz ser perseguido e nega desgaste no governo
Notícias ao Minuto Brasil

05:58 - 31/01/19 por Folhapress

Política Coaf

Filho do presidente Jair Bolsonaro, o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou ser "vítima de perseguição" na investigação sobre movimentações financeiras atípicas na sua conta e na de seu ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz.

"Está todo mundo vendo que eu sou vítima de perseguição", afirmou ele ao ser questionado sobre ao caso durante visita ao Congresso, nesta quarta-feira (30), para fazer o registro biométrico necessário para que deputados e senadores participem de votações.

Flávio, que é deputado estadual no Rio, assume a vaga de senador nesta sexta-feira (1º).

Ele se recusou a responder perguntas sobre quando irá ao Ministério Público prestar esclarecimentos. "Já falei o que eu tinha de falar, não tenho novidade nenhuma", afirmou o futuro senador, que no dia 10 de janeiro faltou a encontro com promotores.

Na época, Flávio foi chamado para esclarecer suspeitas contra Queiroz, que, segundo levantamento do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

+ Flávio Bolsonaro volta atrás e se mantém na presidência do PSL no Rio

Parte do valor, considerado incompatível com o patrimônio de Queiroz, veio de repasses de oito colegas do gabinete –o que levanta a suspeita de prática de "rachadinha", que ocorre quando alguém determina a retenção de uma parte dos salários de servidores nomeados.

Dias depois, o próprio Flávio apareceu na lista de movimentações atípicas, por ter recebido 48 depósitos fracionados que totalizaram R$ 96 mil entre junho e julho de 2017, sem que houvesse a identificação da origem.

O senador eleito tem negado irregularidades e diz que os depósitos foram feitos por ele com dinheiro recebido de uma permuta de imóveis. Afirma ainda que cabe a Queiroz, que o assessorava até outubro, dar as explicações sobre suas movimentações atípicas.

Perguntado se o governo começava a nova legislatura desgastado com as suspeitas que envolvem a família de Bolsonaro, Flávio afirmou que as investigações não têm nada a ver com a Presidência.

"Não tem nada a ver com o governo. Por mais que vocês queiram, não tem nada a ver com o governo. Estamos muito bem, obrigado. Estamos todos trabalhando bem, com liberdade", afirmou.

Antes crítico à candidatura de Renan Calheiros (MDB-AL) à presidência do Senado, Flávio mudou de conduta e disse que todos os candidatos têm sintonia com a pauta do governo de seu pai.

"Qualquer candidato que chegue espero que seja alinhado com as pautas do governo, com a responsabilidade e pelo que eu saiba todos os nomes colocados estão nesta linha", afirmou Flávio, quando questionado se uma eventual vitória de Renan significaria uma derrota para o Palácio do Planalto.

A bandeira branca do filho de Bolsonaro foi levantada um dia depois que Renan se declarou publicamente favorável à agenda econômica do governo. Além disso, Renan já havia acenado diretamente pra Flávio há duas semanas, quando, em entrevista à Folha de S.Paulo, disse que o senador eleito não deveria ser investigado pela Casa.

"Temos com relação a ele as melhores expectativas, de que é um moço que quer trabalhar, que quer fazer um bom mandato, que tem posições e defende-as. O que nós queremos é o melhor dele neste momento complexo da vida nacional. A expectativa que nós temos é a melhor possível", disse Renan em 18 de janeiro.

Perguntado sobre que leitura fazia deste aceno, Flávio minimizou o afago.

"Não tem nada demais, é a opinião dele. Como qualquer senador, respeita qualquer senador", afirmou. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório