Meteorologia

  • 19 JULHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

É enojante Witzel falar de Marielle, diz Jean ao lembrar placa quebrada

Ex-deputado também afirmou que prisões de ontem mostraram que ele estava certo ao sair do Brasil por medo de ser morto

É enojante Witzel falar de Marielle, diz Jean ao lembrar placa quebrada
Notícias ao Minuto Brasil

13:48 - 13/03/19 por Notícias Ao Minuto

Política Declaração

O ex-deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) falou sobre a prisão dos suspeitos de matarem a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes.

Segundo ele, o dia de ontem (13) "mexeu muito" e foi "dificílimo”. "O maior impacto foi mostrar que eu estava certo ao sair do país”, avaliou.

Jean decidiu abandonar o mandado de deputado federal e deixar o Brasil por causa das ameaças de morte que vinha sofrendo.

+ 'Quem era Marielle Franco?', diz Eduardo Bolsonaro

+ Delegado do caso Marielle será afastado após prisões de suspeitos

De acordo com informações da colunista Mônica Bergamos, da Folha de S. Paulo, o político também considerou "enojante" a presença do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, na coletiva de imprensa sobre a operação realizada ontem, pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Estado, que resultou na prisão do policial militar reformado Ronnie Lessa e do ex-PM Elcio Vieira de Queiroz.

“Marielle foi difamada pela mesma rede que o ajudou a se eleger. Ele e Jair Bolsonaro foram beneficiados”, considera Wyllys.

+ Vídeo mostra candidatos retirando placa em homenagem a Marielle

+ Candidato de Bolsonaro que destruiu placa de Marielle é eleito no Rio

Ele lembrou que, à época da campanha eleitoral, no ano passado, Witzel participou de um ato ao lado de correligionários que quebraram uma placa de rua com o nome dela. Para o ex-deputado, ainda conforme a colunista, “é preciso entender a trama desse assassinato, é preciso saber se ela está conectada com o resultado das eleições”.

Leia também:

Polícia cumpre novos mandados de busca e apreensão no caso Marielle

Witzel diz que presos por morte de Marielle podem fazer 'delação'

'A mando de quem?', cobra Freixo após prisões no caso Marielle

Campo obrigatório