Meteorologia

  • 15 JULHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Comitiva nos EUA tem sumiço de Bolsonaro e Moro na churrascaria

Auxiliares afirmam que ele foi fazer o que não consegue no Brasil: fugir um pouco do estresse e da agenda cheia de compromissos

Comitiva nos EUA tem sumiço de Bolsonaro e Moro na churrascaria
Notícias ao Minuto Brasil

16:38 - 18/03/19 por MARINA DIAS, para Folhapress

Política Viagem

MARINA DIAS - WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente sumiu. Durante pelo menos duas horas desta segunda-feira (18), Jair Bolsonaro circulou pelas ruas de Washington acompanhado por seguranças para, segundo um de seus auxiliares, relaxar um pouco depois de participar de uma reunião na CIA, a agência de inteligência americana.

O encontro, que não estava no roteiro oficial do presidente, começou cedo, mas não foi divulgado à imprensa, ao contrário de todos os outros compromissos que ele terá na cidade até esta terça-feira (19).

Antes das 8h (9h de Brasília), foi o filho caçula de Bolsonaro, Eduardo, quem deu o spoiler: postou em sua conta no Twitter que estava a caminho da sede da CIA, na capital americana, junto com o pai e outros ministros.

Até ali, a assessoria do Planalto insistia que o presidente estava em agenda privada e, somente quatro horas depois, divulgou uma nota para informar que a reunião com a agência americana serviu para debater "questões de combate ao crime organizado e ao narcotráfico".

+ Guedes pergunta por que Olavo dispara contra 'revolução' da direita

A comitiva contava com o ministro Sergio Moro (Justiça), que não quis falar sobre o assunto ao voltar ao Sofitel, duas horas mais tarde, onde ele e quase todos os outros colegas de Esplanada estão hospedados.

Perto das 12h, Moro se preparou para sair mais uma vez.

"O senhor vai encontrar o Bolsonaro para o almoço? Parece que ele fugiu da gente", perguntou a Folha de S.Paulo. "Sorte dele", desconversou o ministro sorrindo.

Mas não era o presidente que o chefe da Justiça encontraria. Moro foi almoçar no restaurante de carnes The Capital Grille, na avenida que leva ao Congresso americano, com integrantes de sua equipe e do FBI, equivalente à Polícia Federal brasileira.

+ Planalto 'testa' desempenho da primeira-dama

Às 12h05, mais de duas horas depois de ter saído da CIA, Bolsonaro voltou à Blair House, onde está hospedado com o filho e os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Augusto Heleno (GSI).

Auxiliares afirmam que ele foi fazer o que não consegue no Brasil: fugir um pouco do estresse e da agenda cheia de compromissos. Saiu apenas com seguranças, Heleno e Araújo. Na volta, almoçou na residência.

Pouco depois, recebeu Eduardo e o assessor de assuntos internacionais da Presidência, Filipe Martins, que haviam feito compras no fim da manhã e participado de um encontro na OEA (Organizações dos Estados Americanos).

A sacola de Martins estava repleta de vitaminas, enquanto a de Eduardo tinha uma caixa de power crunch, uma barra de proteína com gosto de chocolate para comer geralmente depois de um treino forte na academia.

Depois de conversar com os dois, Bolsonaro voltaria à sua agenda normal: recebe o ex-secretário do Tesouro dos EUA Henry Paulson e concede uma entrevista à Fox News -que Eduardo queria acompanhar.

+ Lula acertou propina em reunião com Sarkozy, diz Palocci

No fim da tarde, o presidente segue para a Câmara de Comércio, onde encerra o painel de discussão "O futuro da economia brasilera".

O dia oficial -se não contar com mais nenhuma outra escapada- termina com um jantar com empresários brasileiros e americanos.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório