Meteorologia

  • 22 MAIO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Datafolha: para 57% da população, golpe de 1964 deveria ser desprezado

Maioria acha que a data não tem que ser comemorada; 36% afirmam que ela merece celebração, como defende Jair Bolsonaro

Datafolha: para 57% da população, golpe de 1964 deveria ser desprezado
Notícias ao Minuto Brasil

08:55 - 06/04/19 por Folhapress

Política Opinião da maioria

JOSÉ MARQUES - SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A comemoração da data que marcou o início da ditadura militar no Brasil, incentivada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) no mês passado, não tem o apoio da maioria da população, aponta pesquisa Datafolha.

Para a maior parte das pessoas, o dia 31 de março de 1964, data do golpe que levou o país a um período de exceção de 21 anos, deve ser desprezado.

Essa é a opinião de 57% dos 2.086 entrevistados pelo instituto entre terça (2) e quarta (3). A parcela dos que acham o contrário, que a data merece comemorações, é de 36% dos brasileiros. Outros 7% não souberam responder ou não quiseram opinar sobre o tema.

+ Políticos, militares e olavistas disputam indicação para o MEC

As polêmicas a respeito do aniversário de 55 anos do golpe começaram no último dia 25, quando o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, afirmou que Bolsonaro havia determinado ao Ministério da Defesa as "comemorações devidas", em quartéis, do dia 31 de março.

A orientação foi inédita nas últimas duas décadas, desde a criação da pasta, e levou a Defensoria Pública da União e tentar barrá-la na Justiça.

Na pesquisa Datafolha, o desprezo à data do golpe tem maior apoio entre os estratos mais jovens, mais escolarizados e mais ricos da população.

Entre as pessoas de 16 a 24 anos, 64% são contrários à comemoração da data. A porcentagem chega a 67% entre quem tem ensino superior e a 72% entre pessoas com renda familiar mensal superior a dez salários mínimos.

Do outro lado, foram favoráveis à celebração do golpe 42% das pessoas com mais de 60 anos, 43% dos que têm ensino fundamental e 39% dos que têm renda mensal familiar de até dois salários mínimos.

Ainda assim, em todos os estratos de idade, escolaridade e renda, a maioria refuta a celebração do golpe de 1964.

O Datafolha fez entrevistas em 130 municípios em todo o Brasil. A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, e o nível de confiança (que é a chance de a pesquisa retratar a realidade) é de 95%.

Outro recorte sobre o levantamento do instituto mostra que a maioria dos evangélicos –uma das bases eleitorais de Bolsonaro– também rejeita as comemorações relativas ao início da ditadura militar.

Considerando todos os segmentos evangélicos, 53% acham que 31 de março deve ser desprezado e 39%, comemorado. Os neopentecostais são os que mais apontam o desprezo sobre as celebrações, com percentual de 65%.

Pessoas de outras religiões, como católicos (56% a 38%), espíritas (59% a 32%) e adeptos de religiões afro-brasileiras (73% a 24%), também se manifestaram majoritariamente contra a comemoração. Quem não tem religião ou é agnóstico segue o mesmo padrão: 73% a 23%.

Por outro lado, a maioria das pessoas que dizem ter preferência partidária pelo PSL e pelo MDB (este último o partido que se originou como oposição ao regime) defendem as comemorações –com 61% e 64%, respectivamente.

Isso também vale para as pessoas que declararam terem votado no presidente Jair Bolsonaro nas eleições do ano passado. A disputa, no entanto, é apertada: 49% deles acham que a data deve ser comemorada e 43%, desprezada.

Após as declarações do porta-voz da Presidência, a Defensoria Pública da União foi à Justiça contra as comemorações, assim como familiares de vítimas da ditadura.

A Justiça Federal chegou a proibir eventos similares, mas a liminar acabou cassada.

Em pelo menos 18 estados, o Ministério Público Federal também recomendou que os comandos militares se abstivessem de qualquer manifestação pública em homenagem à ditadura militar.

Após os posicionamentos contrários, Bolsonaro mudou o tom e disse que a ideia era rememorar, e não comemorar, o golpe de 1964.

"Rever o que está errado, o que está certo e usar isso para o bem do Brasil no futuro", disse o presidente.

No dia 31 de março, no entanto, o Palácio do Planalto distribuiu, por meio de um grupo de divulgações de ações do governo, um vídeo que celebrava os 55 anos do início do regime, mas sem logomarca de órgãos do governo.

Nele, um ator afirma que o Exército salvou os brasileiros dos comunistas. "Não dá para mudar a história", diz.

Depois do disparo pelo WhatsApp, a assessoria de imprensa do Planalto confirmou o envio do vídeo e não fez mais comentários.

O conteúdo foi replicado nas redes sociais pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente.Dois dias depois, um empresário assumiu a autoria e o financiamento da produção.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório