Meteorologia

  • 03 ABRIL 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Pandemia pode trazer geração de robôs capazes de tarefas perigosas

Num editorial publicado na Science Robotics, os especialistas consideram que a pandemia pode ser um ponto de mudança na forma como as organizações usam robôs.

Pandemia pode trazer geração de robôs capazes de tarefas perigosas
Notícias ao Minuto Brasil

16:30 - 25/03/20 por Notícias ao Minuto Brasil

Tech Covid-19

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizar tarefas perigosas como limpeza de superfícies infectadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam hoje alguns dos principais pesquisadores internacionais em robótica.

Num editorial conjunto publicado na revista científica Science Robotics, os especialistas consideram que a pandemia pode ser um ponto de mudança na forma como as organizações usam robôs para os trabalhos "aborrecidos, sujos e perigoso".

No texto assinado pelos acadêmicos os robôs poderão desempenhar tarefas como desinfecção de superfícies, medição de temperatura de pessoas em locais públicos ou pontos de entrada como fronteiras, apoio social a doentes de quarentena, recolha de amostras biológicas, realização de testes e transmissão de conferências para audiências virtuais.

"No geral, o impacto da Covid-19 pode conduzir a uma investigação continuada na robótica para lidar com os riscos das doenças infecciosas", o que exige investimentos na pesquisa, sem o que "a História irá repetir-se e não existirão robôs preparados" para ajudar na próxima pandemia e assim reduzir a exposição de seres humanos a agentes patogênicos.

A experiência com o surto do vírus Ebola de 2015 permitiu identificar uma variedade de usos possíveis, mas o investimento dispendioso que poderia ser usado para pesquisa multidisciplinar continua a ser "raro e dirigido para outras áreas", assinalam.

O diretor do Instituto de Robótica Contextual da Universidade de San Diego, Henrik Christensen, e a presidente da Academia Nacional das Ciências norte-americana, Marcia McNutt, que estão entre os autores, salientam que os robôs podem ser usados para garantir cuidados clínicos através de telemedicina, podem recolher resíduos contaminados e ser usados para fiscalizar o cumprimento de quarentenas voluntárias.

"Já assistimos à utilização de robôs em tarefas de desinfecção, entrega de medicamentos e comida, medição de sinais vitais e controle de fronteiras", escrevem.

Por exemplo, já há robôs que desinfetam superfícies com raios ultravioleta, e os pesquisadores antecipam um futuro em que poderão ser usados robôs de nova geração para estarem constantemente a limpeza, desinfecção e esterilização de superfícies, que também podem estar contaminadas com vírus.

"O uso de 'robôs sociais' também é uma oportunidade de garantir interação social e adesão a regimes de tratamento sem aumentar o medo de propagar doenças", referem, ressalvando que nessa área, é mais problemático.

"As interações sociais baseiam-se na construção e manutenção de modelos complexos de relações entre pessoas, incluindo o seu conhecimento, crenças e emoções, bem como o contexto e o ambiente em que interagem", justificam.

No caso de grandes encontros e conferências internacionais, poderão "aumentar as novas formas de reunião, virtuais em vez de presenciais".

Campo obrigatório