Meteorologia

  • 06 JUNHO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Sem medidas de controle, surtos da Covid são prováveis em climas úmidos

Os autores do estudo fizeram modelos para tentar entender como a transmissão é afetada pelo clima

Sem medidas de controle, surtos da Covid são prováveis em climas úmidos
Notícias ao Minuto Brasil

07:12 - 19/05/20 por Folhapress

Tech CORONAVÍRUS-ESTUDO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Sem medidas de controle, severos surtos do novo coronavírus Sars-Cov-2 são prováveis em climas mais úmidos, aponta um estudo publicado nesta segunda-feira (18) na revista Science. Além disso, diz o artigo, o verão não afeta substancialmente o contágio.

Os autores do estudo fizeram modelos para tentar entender como a transmissão é afetada pelo clima. Para isso, usaram dados disponíveis da influenza, do vírus sincicial respiratório e de dois coronavírus (HCoV-HKU1 e HCoV-OC43) que fazem parte do mesmo gênero causador da Covid-19, além de informações de disseminação do vírus da pandemia atual.

Veja também: Maioria da população não tem anticorpos contra Covid-19

Eles então aplicaram modelagens pandêmicas em nove cidades diferentes, bem distintas em termos de umidade sazonal, sem levar em conta outros fatores demográficos e ambientais.Com os resultados obtidos, os pesquisadores não encontraram diferenças substanciais no tamanho da pandemia no hemisfério norte, mesmo com as grandes diferenças de clima entre cidades como Nova York, nos EUA, Londres, no Reino Unido, e Nova Déli, na Índia.

Já nas zonas tropicais, os cenários modelados para influenza e HCoV-HKU1 evidenciaram uma realidade pandêmica mais sustevntada e de menor intensidade. "Contudo, o surto nas cidades tropicais continua significativo e fatores não explorados aqui, como densidade populacional, podem exacerbar o tamanho da epidemia", afirmam os autores.

Em suas modelagens, os cientistas também levaram em conta a imunidade da população aos vírus. Segundo os resultados encontrados, no estágio pandêmico de um novo patógeno a suscetibilidade das populações é o fator determinante para a dinâmica de invasão da pandemia, mesmo que aspectos climáticos possam ter um papel em modular certos aspectos de tamanho e escala de tempo em determinados locais.

"No entanto, isso não significa que o clima não seja um fator importante no longo prazo. Os ciclos endêmicos da doença provavelmente estarão atrelados a fatores climáticos, e picos sazonais podem variar com a latitude", dizem os autores.

Os pesquisadores também afirmam que implementar medidas de controle leva a um ganho crucial de tempo enquanto vacinas e outros tratamentos são desenvolvidos.No início da pandemia, alguns pesquisadores imaginavam que o clima poderia ter um papel em modular a presença do vírus em determinados países. No hemisfério norte, houve quem esperasse um surto menor por causa também da chegada do verão.

O próprio presidente americano, Donald Trump, em março chegou a dizer que o vírus iria embora no verão. Também afirmou, na mesma coletiva de imprensa em que falou sobre uma suposta possibilidade de uma injeção de desinfetante contra o Sars-CoV-2, que o calor e o sol também poderiam ajudar a conter o vírus.

"Há rumores, bons rumores, de que você vai para a rua, no sol, e você tem o calor, e que isso tem um efeito sobre outros vírus", disse. "Gostaria que você falasse [disse, dirigindo-se a um cientista presente] com médicos para ver se você poderia, de algum jeito, aplicar luz e calor para curar. Talvez você possa, talvez não, eu não sou um médico."

Estudos anteriores, porém, já mostraram que climas quentes poderiam não ser suficientes para conter o novo coronavírus. Pesquisas sobre o vírus do Sars apontavam que ele persiste por mais tempo no ambiente em temperaturas inferiores a 30 grau Celsius e quando há umidade relativa do ar média ou baixa -a não ser quando faz bastante frio, por volta de 5 graus Celsius, situação na qual umidades altas não o atrapalham.

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta chegou a dizer brincando: "Nas minhas orações estou sempre esperando uma vacina. Eu fico sempre cuidando muito e pensando que, se esse vírus não gostar de sol, não vão haver casos em Cuiabá".

No Brasil, chama a atenção o surto do novo coronavírus no Norte e no Nordeste do país, com, respectivamente, 45.277 e 81.537 casos. No Sudeste, região com a maior população do país, há 95.938 casos.

O sistema estadual de saúde do Amazonas, por exemplo, colapsou em abril. No estado, 60 dos 62 municípios já foram atingidos pelo novo coronavírus, o que cria um desafio logístico, considerando que, apesar de sua dimensão do estado, somente a capital, Manaus, tem serviços de UTI.

A situação da região Norte levou, em alguns locais, à decretação da medida mais severa de isolamento, o lockdown, como em todo o Amapá, no Pará, Tocantins, Amapá e Roraima. A ação também já foi adotada em localidades do Rio de Janeiro e Paraná.

Veja também: Brasil registra 674 mortes em 24h; é 3º no mundo em número de casos

Campo obrigatório