Meteorologia

  • 30 JUNHO 2022
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Microsoft detectou código maligno dirigido a redes da Ucrânia

A Microsoft declarou hoje ter detetado uma operação de 'malware' (código maligno) dirigido a redes informáticas governamentais e privadas da Ucrânia, com um "alto risco" de as deixar "inutilizadas".

Microsoft detectou código maligno dirigido a redes da Ucrânia
Notícias ao Minuto Brasil

17:22 - 16/01/22 por Notícias ao Minuto Brasil

Tech Ucrânia

De acordo um relatório publicado hoje no jornal The New York Times, o Centro de Inteligência contra Ameaças da Microsoft (MSTIC) identificou pela primeira vez este código maligno na passada quinta-feira.

O relatório refere que se trata de uma espécie de programa de sequestro que está pensado para ser "destrutivo" e desenhado para deixar inutilizados os dispositivos afetados.

"Face à escala das intrusões verificadas, a MSTIC não é capaz de avaliar a intenção das ações destrutivas identificadas, mas acredita que essas ações representam um risco grande para qualquer agência governamental, ou organização com sistemas na Ucrânia", aponta a Microsoft.

O Governo da Ucrânia acusou hoje a Rússia de ser a responsável por um ataque cibernético sofrido por várias redes de internet estatais ucranianas nas noites de quinta e sexta-feira.

"Hoje podemos dizer que todas as provas apontam para que seja a Rússia que está por detrás do ciberataque. Moscou continua a travar uma guerra híbrida e está apostando, de uma forma ativa, as suas forças na esfera da informação e do ciberespaço", acusou o Ministério da Transformação Digital da Ucrânia, num comunicado publicado na internet.

O ministério ucraniano indicou que o Serviço Especial de Comunicações do Estado, o Serviço de Segurança da Ucrânia e a Polícia Cibernética continuam a investigar o ataque que afetou cerca de 70 páginas oficiais do Governo, mas ressalvou que até agora todas as suspeitas apontam para a Rússia.

"As tropas cibernéticas da Rússia trabalham frequentemente contra os Estados Unidos e contra a Ucrânia, recorrendo ao uso da tecnologia para agitar a situação política", refere a nota do Governo ucraniano.

O ciberataque afetou cerca de 70 páginas da internet ucraniana, entre elas de 'sites' do gabinete de ministros, de ministérios e do serviço de emergências.

Nessas páginas, os hackers publicaram um anúncio intimidatório em ucraniano, russo e polaco.

A União Europeia (UE) condenou na sexta-feira o ciberataque e afirmou que o bloco comunitário vai "mobilizar todos os recursos" para ajudar Kiev perante um ataque que já era temido.

"Infelizmente, já esperávamos que isto pudesse acontecer. Evidentemente, não podemos apontar o dedo a ninguém, pois não temos provas, mas podemos imaginar" quem está por detrás do ciberataque, disse o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, à entrada para uma reunião informal de ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27 da UE em Brest, França, marcada, entre outros assuntos, pelas tensões a leste, entre Ucrânia e Rússia.

Também o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, condenou o ciberataque e anunciou que nos próximos dias a Aliança Atlântica assinará um acordo de cooperação cibernética com Kiev.

Depois de ter integrado a antiga União Soviética, a Ucrânia tornou-se independente em 1991, após a dissolução do bloco controlado por Moscou.

Em 2014, na sequência da Revolução Laranja que levou ao afastamento do presidente pró-Moscou Viktor Yanukovych, a Rússia invadiu e anexou a península ucraniana da Crimeia.

Desde então, Moscou tem alegadamente patrocinado uma guerrilha na região industrial de Donbass, no leste da Ucrânia, que já provocou mais de 13.000 mortos e 1,5 milhões de deslocados, segundo dados da ONU.

Nos últimos meses, a Rússia colocou mais de 100.000 tropas e armamento pesado junto à fronteira com a Ucrânia, suscitando o receio em Kiev e nos países ocidentais de um novo ataque contra o país, uma intenção negada por Moscovo.

A crise na fronteira da Ucrânia foi alvo, esta semana, de conversas separadas da Rússia com os Estados Unidos, com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês) e com a Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE).

Campo obrigatório