Meteorologia

  • 04 JULHO 2022
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Amazon é acusada de discriminar trabalhadoras grávidas e deficientes

A Amazon empregava 1,61 milhões de pessoas no final do ano, e é o maior empregador privado dos EUA

Amazon é acusada de discriminar trabalhadoras grávidas e deficientes
Notícias ao Minuto Brasil

06:00 - 19/05/22 por Notícias ao Minuto Brasil

Tech Amazon

A Divisão de Direitos Humanos do Estado de Nova York apresentou uma queixa contra a Amazon acusando a empresa de discriminar as trabalhadoras grávidas e deficientes nos seus locais de trabalho, disse na quarta-feira a Governadora Kathy Hochul.

A Amazon foi também acusada de ter políticas que exigem que os trabalhadores tirem férias não remuneradas, mesmo que sejam capazes de trabalhar.

A lei estatal exige que os empregadores forneçam acomodações razoáveis às trabalhadoras grávidas e deficientes que as solicitem. Também trata as condições médicas relacionadas com a gravidez como deficiências, segundo a Reuters. 

"A minha administração responsabilizará qualquer empregador, independentemente de quão grande ou pequena seja, se não tratarem os seus trabalhadores com a dignidade e respeito que merecem", disse Hochul numa declaração.

A Amazon não respondeu aos pedidos de comentário feitos pela Reuters.

A queixa surge quando a Amazon de Seattle enfrenta críticas crescentes sobre o seu tratamento para com os trabalhadores, incluindo alguns que insistiram na sindicalização.

A Amazon empregava 1,61 milhões de pessoas no final do ano, e é o maior empregador privado dos EUA para além do Walmart Inc. Tem 23 locais de trabalho com mais de 39.000 trabalhadores em Nova York.

Em Setembro do ano passado, seis senadores democratas, incluindo Kirsten Gillibrand, de Nova York, apelaram à Comissão de Igualdade de Oportunidades de Emprego dos EUA para investigar a suposta falha "sistémica" da Amazon em acomodar as trabalhadoras grávidas em armazém.

A queixa de quarta-feira descreveu como a Amazon supostamente forçou uma trabalhadora grávida a continuar a levantar pacotes com mais de 11 kg, e a colocá-la em licença sem vencimento por tempo indeterminado depois dela ter ficado ferida.

Disse também que a Amazon inverteu as recomendações de deixar duas trabalhadoras deficientes modificar os seus horários de trabalho, depois de os seus gestores terem resistido às mudanças.

Campo obrigatório