Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Macron acusa hackers russos de atacar sua campanha

Rússia rebateu e chamou acusações de 'absurdas'

Macron acusa hackers russos de atacar sua campanha
Notícias ao Minuto Brasil

15:15 - 14/02/17 por Notícias Ao Minuto

Tech Rede

Um dos líderes da corrida presidencial na França, Emmanuel Macron, acusou a Rússia de patrocinar ataques hackers contra o site de sua campanha "Em Movimento".   

Líderes de seu comitê afirmaram ao jornal francês "Le Canard Enchaîne" que o site vem sendo alvo de ações do tipo desde novembro, quando o ex-ministro da Economia anunciou que concorreria ao pleito. O secretário-geral da campanha, Richard Ferrand, e o porta-voz da "Em Movimento", Benjamin Griveaux disseram não ter dúvidas de que o ato é "uma ingerência russa".  

Em entrevista ao jornal "Le Monde", Ferrand fez um apelo às autoridades francesas para que elas "não permitam que a Rússia desestabilize as eleições presidenciais da França".    Nos últimos dias, os veículos de comunicação russos "Sputnik" e "Russia Today" publicaram matérias alegando que Macron teria uma "vida dupla", dizendo que ele teria um caso com o presidente da "Radio France", Mathieu Gallet.   

Macron, que é casado com Brigitte Trogneux há 10 anos, desmentiu a história e ainda ironizou a "denúncia".   

"Ouvi dizer que tenho uma vida dupla, que tenho uma vida escondido ou algo assim. É desagradável para minha mulher, Brigitte, e como eu passo dia e noite com ela, ela já me pediu como faço isso... Se lhes disserem que tenho uma vida dupla com Mathieu Gallet, saibam que é o meu holograma, não sou eu", disse a uma plateia durante comício.   

No entanto, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, classificou de "absurdas" as acusações e diz que "não se pode falar de qualquer envolvimento do governo russo nestes ataques".   

Os russos foram acusados de fazerem ataques semelhantes nos Estados Unidos, para beneficiar a vitória do republicano Donald Trump. Segundo a mídia francesa, tal qual nos EUA, a ideia seria beneficiar os candidatos de direita François Fillon, do Republicanos, ou Marine Le Pen, do Frente Nacional. (ANSA)

Campo obrigatório