Conheça o local no Brasil atingido por asteroide que matou dinossauros

A área será transformada em um geossítio e a data de abertura está prevista para novembro; está localizada em Paulista (PE)

© Reprodução
Tech PERNAMBUCO 18:33 - 16/07/17 POR Notícias Ao Minuto

Há 65 milhões de anos, um asteroide acabou com a vida na Terra. Foi o fim dos dinossauros e a transição entre os períodos Cretáceo e Paleógeno. O asteroide caiu na península de Yucatán, no México, e suas consequências foram sentidas a milhares de quilômetos: em Pernambuco.

PUB

Como revela o UOL, há um local que guarda registros do asteroide que mudou para sempre a vida terrestre. Esse lugar é conhecido como Mina da Poty e está localizado no município de Paulista (PE). A pedreira Poty possui minas microesférulas (grãos de vidro microscópicos) e quartzos de impacto produzidos pelo calor gerado no momento da colisão no México. Com a força do asteroide, os objetos foram lançados na atmosfera e chegaram até o Nordeste brasileiro.

O geossítio Mina da Poty também reúne resquícios do megatsunami causado pelo impacto do asteroide, cujas ondas de 20 metros de altura e 112 km/h alcançaram o Nordeste brasileiro.

"Os geossítios são áreas que representam eventos marcantes da história da Terra que precisam ser preservadas para as gerações futuras", explica Alcina Barreto, paleontóloga da UFPE.

A novidade é que o local será um geossítio e a data de abertura está prevista para novembro. O lugar de visitação é uma parceria da UFPE com a Votorantim Cimentos, empresa proprietária da mina.

A Mina da Poty apresenta evidências sobre a transição dos períodos Cretáceo e Paleógeno. A reportagem revela que, além dos fósseis de vertebrados marinhos, algumas anomalias químicas e físicas apontam resquícios do asteroide que marcou a transição das eras.

O geólogo Giberto Albertão explica que o impacto do asteroide na superfície terrestre levou à estratosfera microesférulas (grãos de vidro microscópicos produzidos pelo calor do impacto e lançados na atmosfera), quartzos de impacto (cristais transformados pelo choque) e anomalias de carbono. Níveis anormais de irídio, elemento químico trazido à Terra pelo asteroide, também foram registrados.

"O primeiro efeito do impacto [do asteroide] foi um grande incêndio global, em função da chegada desse corpo. O atrito do asteroide gerou um superaquecimento. E em todas as áreas desse limite que são continentais existem evidências de anomalia de carbono", diz Albertão.

+ Google Earth fará viagem pela floresta amazônica

Megatsunami atingiu o Brasil

O geólogo também ressalta que a queda do asteroide que extinguiu os grandes dinossauros também originou um megatsunami que 'varreu' o Caribe e atingiu a região Nordeste do país. "Este megatsunami tem uma característica importante que é de misturar elementos presentes em água rasa, água funda e continente", esclarece Albertão.

De acordo com o geólogo, as enormes ondas misturaram fragmentos de madeira, quartzo, fragmentos de concha, dentes de tubarão, microfósseis e microesférulas de vidros. "É o único local do Brasil onde é possível observar isso."

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

X