Meteorologia

  • 23 FEVEREIRO 2018
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Cientistas desmentem mistério de bactérias 'ETs' em estação espacial

Organismos têm origem no planeta Terra

Cientistas desmentem mistério de bactérias 'ETs' em estação espacial
Notícias ao Minuto Brasil

17:01 - 06/12/17 por Notícias Ao Minuto

Tech não procede

Micróbios descobertos no exterior da estação espacial têm origem terrestre e não contêm nada de novo para os especialistas da Nasa e para os colegas do Instituto de Problemas Medico-Biológicos em Moscou, comunicou Craig Kundrot, o chefe de um departamento da agência espacial norte-americana.

No fim de maio, veículos de imprensa publicaram a informação de que os cosmonautas russos que recolhiam poeiras do revestimento exterior da Estação Espacial Internacional descobriram micróbios vivos. Esta descoberta, de acordo com o cosmonauta russo Aleksandr Misurkin, apontava a possibilidade de que a vida na Terra podia ter sido trazida do espaço.

+ Motorista poderá pedir comida e fazer compras pelo painel do carro 

"Sabemos muito bem e já há muito tempo que as bactérias terrestres podem frequentemente se depositar no exterior da Estação Espacial Internacional e viver na superfície dela. Elas podem ter sido levadas para aí junto com gases emitidos pela estação, bem como a partir da atmosfera terrestre. Por outro lado, ainda não sabemos o que encontraram exatamente os nossos colegas, porque ainda não foram apresentados nenhuns dados ou amostras", afirmou Kundrot.

Estes micróbios, segundo acrescentou o cientista, têm origem bem terrestre e não são "provenientes do espaço", como foi anunciado por várias mídias.

Cientista russo Vladimir Sychev, que é o chefe de projetos dos satélites russos Bion-M e Bion-M2, está de acordo com o colega da unidade espacial norte-americana.

"A TSNIIMASH e os cosmonautas já há vários anos recolhem amostras do exterior da EEI nas partes onde não chegam os raios do Sol, e é natural que eles frequentemente descubram aí micróbios. Estes micróbios, por regra, surgem na EEI vindos da atmosfera exterior — uma parte deles se instala e sobrevive aí. Isso não é nada surpreendente, porque o espaço sem ar é menos agressivo para alguns organismos do que a atmosfera com oxigênio", explica o cientista.

Na presença de oxigênio, segundo informa Sychev, até os produtos congelados se decompõem e se oxidam gradualmente. No vácuo do espaço, os espórios das bactérias podem existir durante longo período de tempo se não forem expostos a radiação ultravioleta ou de partículas de alta energia e não forem aquecidos a temperaturas extremamente altas.

Por isso, o fato que os micróbios conseguiram sobreviver nas partes exteriores da EEI não tem nada de extraordinário. Com informações da Sputnik News.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório