Meteorologia

  • 10 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Em disputa com Gradiente, STJ permite que Apple use marca iPhone

A ação foi iniciada na primeira instância pela Apple em 2013

Em disputa com Gradiente, STJ permite que Apple use marca iPhone
Notícias ao Minuto Brasil

13:17 - 21/09/18 por Folhapress

Tech JUSTIÇA

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) deu decisão favorável a Apple nesta quinta-feira (20) em disputa com a brasileira Gradiente e garantiu o direito da companhia americana de usar a marca iPhone no Brasil.

Em 2008, a Gradiente obteve do INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) o registro da marca G Gradiente Iphone (com I maiúsculo, ao contrário da marca americana). 

+ iPhone Xs e Xs Max começam a ser vendidos; preço chega a R$ 8.950

O pedido da empresa havia sido feito no ano 2000. O primeiro iPhone da Apple foi lançado em 2007.

O INPI também era parte na ação, julgada pela quarta turma do tribunal.

A decisão permite que a IGB Eletrônica, dona da Gradiente e em recuperação judicial, continue a utilizar a marca G Gradiente Iphone, mas não a palavra Iphone isoladamente.

Em seu voto, o ministro relator do caso, Luis e Salomão destacou que o uso isolado da marca Iphone por qualquer outra empresa que não a Apple poderia causar "consequências nefastas" à empresa. 

Já o uso da marca mista adotado pela Gradiente não traria prejuízo para nenhuma das duas, pois jamais induziria qualquer consumidor a erro.

A ação foi iniciada na primeira instância pela Apple em 2013. Na petição inicial, a empresa americana sustentou que desde 2007 utiliza a marca iPhone e que ela atende a todos os requisitos para caracterização de uma marca.

A Apple argumentou que a Gradiente teria empregado o termo "iphone" como simples descrição da funcionalidade de acesso à internet oferecida por seus produtos. Dessa forma, ela não teria nenhuma força distintiva à marca.

A ação foi julgada procedente na primeira instância, decisão mantida na apelação. A Gradiente e o INPI entraram com recurso no STJ, a primeira afirmando que quando a Apple iniciou suas vendas do iPhone no exterior, brasileira já tinha pedido o registro da marca havia mais de seis anos. 

Naquele momento, o uso da letra I no início do nome não possuía conexão direta com internet e, por isso, poderia ser considerado distintivo de marca, afirmou.

Salomão, afirmou no voto que é preciso levar em consideração que o uso continuado dos sinais sugestivos da Apple vincula os consumidores aos produtos e serviços da empresa.

"No que diz respeito às marcas, reitere-se que sua proteção não tem apenas a finalidade de assegurar direitos ou interesses meramente individuais do seu titular, mas objetiva, acima de tudo, proteger os adquirentes de produtos ou serviços, conferindo-lhes subsídios para aferir a origem e a qualidade do produto ou serviço."

A reportagem entrou em contato com a IGB Eletrônica. Não houve retorno até a publicação do texto. Com informações da Folhapress. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório