Meteorologia

  • 16 NOVEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Educação e ciência "estão em perigo", alerta Stephen Hawking

O livro, que foi concluído por colegas de Stephen Hawking e família, procura responder a questões como "se Deus existe", "como tudo começou", se "é possível prever o futuro" ou "o que há dentro de um buraco negro"

Educação e ciência "estão em perigo", alerta Stephen Hawking
Notícias ao Minuto Brasil

05:01 - 16/10/18 por Lusa

Tech MENSAGEM PÓSTUMA

O cosmólogo britânico Stephen Hawking avisa, numa mensagem póstuma transmitida no lançamento do seu último livro, em Londres, que a ciência e a educação estão ameaçadas no mundo.

A obra 'Breves respostas a grandes perguntas', que compila as últimas reflexões do cientista sobre o Universo, foi apresentada em Londres pelos filhos Lucy e Tim.

O físico teórico considerava que a educação e a ciência estavam "em perigo agora mais do que nunca", mencionando a eleição de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos e a saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit, como parte de uma "revolta global contra especialistas, incluindo cientistas".

Na mensagem, Stephen Hawking voltou a exortar os jovens "a olharem para as estrelas e não para os pés", assumindo que a ciência ainda necessita de superar grandes desafios, como as alterações climáticas, a extinção de espécies, o desmatamento, a degradação dos oceanos e o excesso de população.

Nas palavras da filha Lucy, emocionada por escutar novamente a voz do pai, 'Breves respostas a grandes perguntas' resume-se a "um apelo à unidade e à humanidade" para "encontrar soluções" para os desafios do mundo.

Lucy Hawking contou que o pai, antes de morrer, em 14 de março, se manifestava preocupado ao afirmar que "quando os desafios globais requerem uma maior união e cooperação" as pessoas assumem um pensamento "cada vez mais local, fragmentado e dividido".

O livro, que foi concluído por colegas de Stephen Hawking e família, procura responder a questões como "se Deus existe", "como tudo começou", se "é possível prever o futuro" ou "o que há dentro de um buraco negro".

Para o cosmólogo britânico, segundo a filha, o mais importante era "responder às grandes perguntas de uma maneira acessível, divertida e relevante para todo o mundo".

Tim Hawking, o filho mais novo, preferiu realçar no lançamento mundial da obra, no Museu da Ciência de Londres, um dos locais favoritos do físico, a sua faceta mais humana, a de que também se preocupava com os assuntos do dia-a-dia dos filhos.

Stephen Hawking, que sofria de uma doença neurodegenerativa que o deixou preso a uma cadeira de rodas e se comunicando através de um sintetizador de voz, morreu aos 76 anos.

As suas cinzas estão depositadas na Abadia de Westminster, em Londres, entre as sepulturas do físico Isaac Newton (1643-1727), que formulou a lei da gravitação universal, e do naturalista Charles Darwin (1809-1882), que postulou a teoria da evolução das espécies por seleção natural. Com informações da Lusa.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório