Meteorologia

  • 20 ABRIL 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Temer edita hoje MP que cria autoridade de proteção de dados

Setor aguarda criação de autoridade de proteção de dados nesta sexta-feira

Temer edita hoje MP que cria autoridade de proteção de dados
Notícias ao Minuto Brasil

07:25 - 28/12/18 por Folhapress

Tech DADOS PESSOAIS

A poucos dias do fim do mandato, setores ligados à proteção de dados pessoais esperam que o presidente Michel Temer crie a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANDP), agência vetada na Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (13.709), nesta sexta-feira (28).

+ Universidade chinesa aplica realidade virtual em cursos de arqueologia

No projeto de lei original, a autoridade seria independente e ligada, mas sem subordinação, ao Ministério da Justiça. Já um rascunho da Medida Provisória 869, que circula nos bastidores, cria um órgão vinculado à Presidência da República.

Para especialistas envolvidos no debate, se o texto for publicado dessa maneira, a autoridade perde força no trabalho de fiscalizar órgãos da administração pública.

"A autoridade não teria poder comparável ao de outras agências. A vinculação direta com a administração pública dificulta a fiscalização de órgãos públicos, o que não é algo desejado para uma autoridade que deveria fiscalizar o Estado", diz Danilo Doneda, professor de direito no Instituto Brasiliense de Direito Público e consultor do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

Representantes do setor privado, de entidades de pesquisa e de defesa ao consumidor tentaram garantir que a atual gestão editasse uma MP ou sugerisse um projeto de lei com a fundação da autarquia nos moldes em que foi vetada por -técnica, independente e com orçamento próprio. 

Em agosto, Temer excluiu o artigo da lei porque julgou que havia vício de origem -o texto vinha do Legislativo e propunha um órgão financeiro ao Executivo. O governo sinalizou que solucionaria o veto de alguma maneira, fosse por MP ou projeto de lei.

Se criada, a autoridade deve ser composta por um conselho diretor, que é o órgão máximo com cinco pessoas indicadas pelo presidente da República, e um conselho nacional de proteção de dados pessoais e de privacidade, com 23 integrantes dos setores públicos, privado, do terceiro setor, do Comitê Gestor da Internet e da academia.

A Lei 13.709 é o marco legal para a privacidade no Brasil. A partir de fevereiro de 2020, empresas ficarão submetidas a uma série de regras. Deverão disponibilizar informações claras sobre como coletam, tratam e armazenam dados, seguir parâmetros de segurança contra vazamentos e desenvolver uma espécie de compliance para a criação de relatórios internos sobre seus procedimentos no tratamento de dados. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório