Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Coreia do Sul será primeiro país a disponibilizar 5G a partir de amanhã

Também na sexta-feira, na Coreia do Sul, será lançado o primeiro celular com capacidade para 5G da fabricante sul-coreana Samsung, o Galaxy S10 5G

A Coreia do Sul começa, nesta sexta-feira (5), a disponibilizar a rede móvel de quinta geração (5G) através de três operadoras, tornando-se no primeiro país com esta tecnologia, que pretende estender a todo o território.

Segundo a informação divulgada nesta quinta-feira (4), o 5G será disponibilizado na Coreia do Sul por três operadoras nacionais: a KT Corporation, a SK Telecom e a LG Uplus.

Em comunicado, a KT afirma que esta tecnologia, que sucede o 4G, poderá "conectar simultaneamente um milhão de dispositivos por quilômetro quadrado".

A estimativa da companhia é a de que, até ao final do ano, "mais de três milhões de sul-coreanos tenham mudado para o 5G", segundo o vice-presidente da KT, Lee Pil-Jae.

Por seu lado, a SK Telecom considerou, através do seu vice-presidente executivo, Young Sang Ryu, que "é significativo que as empresas de telecomunicações sul-coreanas estejam a disponibilizar serviços e redes com altos padrões de velocidade e qualidade aos seus clientes nacionais".

A expectativa da SK Telecom é ter, no final do ano, mais de um milhão de clientes na rede 5G, que acrescem a um total de 27 milhões de usuários dos seus outros serviços de telecomunicações. Para isso, a empresa instalou já 34 mil estações de rede 5G em 85 cidades.

A comercialização do 5G na Coreia da Sul era apontada para o segundo semestre deste ano. O país chegou a testar esta tecnologia numa zona limitada dos jogos olímpicos de inverno, em fevereiro do ano passado, na região de PyeongChang.

Também na sexta-feira, na Coreia do Sul, será lançado o primeiro celular com capacidade para 5G da fabricante sul-coreana Samsung, o Galaxy S10 5G. Estas iniciativas colocam a Coreia do Sul à frente na corrida tecnológica do 5G, que envolve outros países como os Estados Unidos e a China, que ficam agora atrás nos avanços.

Nesta 'corrida' está também a União Europeia (UE), com os Estados-membros dando passos para que o 5G seja disponibilizado, de forma comercial, em pelo menos uma cidade por país até 2020 e para que haja uma cobertura mais abrangente até 2025.

O 5G é a quinta geração de rede móvel e vem suceder o 1G (criado em 1980), o 2G (de 1990), o 3G (de 2000) e o 4G (de 2010). Nesta nova tecnologia móvel haverá mais velocidade, maior cobertura e mais recursos.

Além de ser aplicado às comunicações móveis, o 5G será ainda crucial para áreas do cotidiano, mas também para potencializar outros avanços tecnológicos, como os carros autônomos.

Isto porque a potência desta rede de quinta geração vai além da rapidez nos 'uploads' e 'downloads' e assenta, sobretudo, na redução da latência, ou seja, do tempo de resposta de um aparelho a partir do momento em que recebe a ordem até a executar. Quanto menor for a latência, mais rápida é a reação de um aparelho acionado à distância.

Isto aplica-se aos eletrodomésticos e a outros aparelhos, incluindo os que estão ligados à internet, que passarão a ser mais eficientes, podendo trazer benefícios nas áreas do entretenimento, agricultura, indústria, saúde, energia e na realidade virtual.

O desenvolvimento do 5G tem, porém, vindo a ser marcado por polêmicas relacionadas com a fabricante chinesa Huawei, acusada de espionagem industrial e outros 12 crimes pelos Estados Unidos, país que chegou a proibir a compra de produtos da marca em agências governamentais e que tem tentado pressionar outros, como Portugal, a excluírem a empresa no desenvolvimento das redes 5G. Portugal já disse que não o fará e desvalorizou a polêmica.

A Huawei tem rejeitado as suspeitas, insistindo que não tem 'portas traseiras' para acessar e controlar qualquer dispositivo sem o conhecimento do usuário. Com informações da Lusa.

Campo obrigatório