Meteorologia

  • 28 OUTUBRO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

'Pieces of a Woman' tenta ser Bergman, mas não há muitos dele por aí

Disponível na Netflix

'Pieces of a Woman' tenta ser Bergman, mas não há muitos dele por aí
Notícias ao Minuto Brasil

09:34 - 13/01/21 por Folhapress

Cultura CINE-CRÍTICA

FOLHAPRESS - "Pieces of a Woman" começa por ser um desses títulos que a Netflix não se dá ao trabalho de traduzir. Essa já habitual descortesia pode ser respondida não traduzindo o título correspondente em português -seria pedaços de uma mulher, momentos de uma mulher, são múltiplos os sentidos possíveis.

Em todo caso, o problema se atravessa facilmente -não a descortesia- logo nos primeiros minutos, em que o diretor húngaro Kornel Mundruczó consegue transmitir toda a aflição que cerca um parto, graças aos longos planos, que ao unir espaço e tempo não deixam espaço para a abstração. A dor, a ansiedade, a agonia e mesmo a felicidade estão presentes ali.

O infortúnio vem a seguir. Minutos -ou segundos- depois do nascimento, a criança morre. Surge então outro filme, sobre a infelicidade de Martha, papel de Vanessa Kirby, e seu marido Sean, vivido por Shia LaBoeuf. E a infelicidade não é um tema fácil. Um Bergman é capaz de jogar seus personagens -e nós juntos- nos abismos mais sinistros da existência. Mas não se encontram Bergmans às dúzias por aí.

Depois, Mundruczó vem da Hungria, onde fez fama, direto para a nação Netflix. Seja como for, ele se contentou em, depois do parto, fazer um filme atravessado pelas convenções do cinema psicológico, do tipo que pergunta o que sente uma mulher após perder um filho nessas circunstâncias. Ela se desentende com o marido, olha para outras crianças com estupor, também se desentende com o emprego.

Em suma, repete tudo que se conhece em décadas de filmes sobre a dor. Nesse aspecto, a banalidade manda. Algumas cenas são tocadas a planos-sequência, mas parecem mais improvisos para ganhar tempo na filmagem. Estão longe da força que têm as cenas do início.

Para animar as coisas, sabemos, convém que entre em cena um vilão. Uma vilã, no caso, a mãe, interpretada por Ellen Burstyn, extremamente controladora de Martha. Como tem dinheiro, desde o início do filme ela se mostra uma manipuladora. Resolve os problemas econômicos do casal, em troca de palpitar na sua vida. Veremos depois que esse caráter forte -até demais- surge de motivos igualmente fortes.

Leia Também: Phoebe Dynevor, de 'Bridgerton', diz que cenas de sexo eram coreografadas

O certo é que ela age para danificar o pouco que resta do casal. Nisso consiste sua vilania e, convenhamos, não é tão grande assim. Não a odiamos apaixonadamente, como convém nesses casos. Quanto ao marido, apenas dá para lamentar sua fragilidade de caráter. Ele não segura a barra mesmo.

Existe, ainda, a parteira. E todo o desejo de vingança, de a colocar na prisão, exigir uma reparação em dinheiro. Martha, meio zumbi, segue a mãe relutantemente no processo. É quando o filme levanta a cabeça e, via Martha, se opõe ao hábito que os americanos espalharam pelo mundo de, a qualquer infortúnio, responsabilizar alguém pelo fato.

O que dirá o júri diante de eventos em que nunca se saberá o que houve de fato? O filme reduz ao mínimo possível o sensacionalismo, ou a "datenização", como já se disse com razão, do caso. No fim, importa apenas que "Pieces" preserva a diginidade nessa delicada travessia que consiste num filme de inspiração claramente húngara ter de se entender com o globalismo da Netflix -prova disso, o "happy end" colado ao entrecho invernal. Não é tão pouco, mas também não é o bastante para ser memorável.

De tudo, o que resta mais bem resolvido no filme é o elenco, liderado por uma Vanessa Kirby muito sólida e acompanhada por um elenco igualmente bem dirigido.

PIECES OF A WOMAN
Onde: Disponível na Netflix
Classificação: 16 anos
Elenco: Vanessa Kirby, Shia LaBeouf, Molly Parker
Produção: EUA, 2020
Direção: Kornél Mundruczó
Duração: 2h 6min.
Avaliação: regular

Campo obrigatório