Meteorologia

  • 20 ABRIL 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Clima de 'vai que' guia teoria da conspiração do podcast 'Wind of Change'

Disponível no Spotify

Clima de 'vai que' guia teoria da conspiração do podcast 'Wind of Change'
Notícias ao Minuto Brasil

07:21 - 03/03/21 por Folhapress

Tech PODCAST-CRÍTICA

FOLHAPRESS - Hino da reunificação alemã e do fim da Guerra Fria, "Wind of Change" foi escrita num caderninho estampado com o Mickey Mouse pelo vocalista dos Scorpions, Klaus Meine, depois de uma viagem da banda a Moscou, em 1989. Pelo menos, essa é a história oficial, contada há mais de 30 anos pelo cantor alemão de heavy metal. Mas e se a canção na verdade tiver feito parte de um plano da CIA para acelerar a queda da URSS?

"Isso soa estúpido", diz uma jornalista russa quando confrontada com a teoria de conspiração que guia o podcast "Wind of Change", do jornalista americano Patrick Radden Keefe.

A história é a seguinte -o repórter ouviu de um amigo, que ouviu de um ex-agente da CIA, que ouviu de outro agente, durante seu treinamento, que a música foi composta pela agência de segurança americana.

No primeiro episódio, que é um apelo de Radden Keefe para que o ouvinte acredite que ele não é doido nem terraplanista por cogitar que uma agência de inteligência possa ter seus próprios compositores e letristas de heavy metal, o repórter diz que quando ouviu a história pela primeira vez, reagiu como a colega russa.

Mas aí ficou pensando. E se?

É esse clima de "vai que" que permeia toda a narrativa, em que a busca pela verdadeira origem de "Wind of Change" é o pano de fundo para histórias mais interessantes sobre a Guerra Fria, o funcionamento da CIA e a vida atrás da Cortina de Ferro.

Em oito episódios, Radden Keefe entrevista ex-agentes da agência americana, vai à Ucrânia assistir a um show da banda alemã, conta a história do insólito festival de rock organizado por um ex-traficante de drogas -que levou à Moscou soviética um lineup que misturou Bon Jovi, Black Sabbath, Mötley Crue e, claro, os Scorpions-, vai a ex-clube de rock montado pela KGB e explica detalhadamente como funciona a vida de quem deixa a CIA.

No caminho, vai elencando pistas, digamos assim, sobre a tese original. O que significa o fato de um colecionador de bonecos de ação ter publicado na internet que os Scorpions ajudavam a CIA durante shows no leste europeu? E por que a agência respondeu aos pedidos do Freedom of Information Act, equivalente americano à Lei de Acesso à Informação, sobre seu relacionamento com a banda com "não podemos confirmar ou negar"?

Um dos pontos altos da produção é a interação em estilo "good cop, bad cop" de Radden Keefe com o amigo Michael, a fonte original da tese sobre a CIA. Enquanto o jornalista oscila entre concordar com a fixer russa e achar aquilo tudo uma maluquice, Michael passa o podcast pilhado, insistindo que a história que ouviu de uma fonte da CIA há uma década é verdade.

Em seus 348 minutos, o podcast lembra uma versão espelhada da série "The Americans", contada do ponto de vista de agentes da KGB. Isso é um elogio, mas às vezes o ponto de vista americano pesa negativamente.

Disponível apenas em inglês, "Wind of Change" é claramente feito pensando apenas nos ouvintes dos Estados Unidos. Em vários momentos, o narrador trata como exóticos os fãs da banda, que é relativamente pouco conhecida nos Estados Unidos. "Sério?", pergunta em tom incrédulo a produtora russa quando ela diz que, claro, conhece os Scorpions, grupo que vendeu mais de 100 milhões de discos ao redor do mundo.

E apesar de falar sobre métodos pouco ortodoxos da CIA para obter informações, Radden Keefe trata a teoria de conspiração como algo que, se verdadeiro, seria positivo para a imagem da CIA. Quando a russa diz que ele pode estar na verdade fazendo propaganda da KGB é que ele cogita a possibilidade de que talvez a história não pegue tão bem assim.

A qualidade da narrativa, porém, não chega a ser comprometida por essas passagens. "Wind of Change" só tem um outro probleminha para quem não for fã da balada que Radden Keefe chama de cafona no começo do podcast. É que é impossível ouvir os episódios e não passar as duas semanas seguintes cantarolando baixinho, forçando um leve sotaque alemão, "I follow the Moskva, down to Gorky Park/ listening to the wind of change"

.WIND OF CHANGE
Avaliação Bom
Onde Disponível no Spotify
Produção Crooked Media

Campo obrigatório