Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Ex-participantes de 'No Limite' comparam provas atuais com 'gincana de escola'

Para ex-participantes, as disputas atuais não testam sobrevivência do competidor como foi há mais de 20 anos

Ex-participantes de 'No Limite' comparam provas atuais com 'gincana de escola'
Notícias ao Minuto Brasil

20:45 - 13/07/21 por Folhapress

Fama Reality Show

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - "BBB na praia", "gincana de escola", "festa junina na areia". Seja lá qual for o apelido, o No Limite (Globo), em 2021, parece não fazer jus ao nome que carrega. É essa a opinião de participantes da primeira temporada do reality, veiculada em 2000, que têm achado as provas tranquilas demais.

Para eles, as disputas atuais não testam sobrevivência do competidor como foi há mais de 20 anos, quando muitos dos jogadores perderam entre 10 e 12 quilos em 24 dias.

"Eu acho que mais parece uma gincana de escola, não vejo isso como sobrevivência. As provas atuais exigem equilíbrio, inteligência, mas sobrevivência, não. Sou crítica mesmo. Ganhar cama, travesseiro e chopinho gelado, não dá. Fica meio descaracterizado", afirma a advogada Andrea Baptista, 50, que foi semifinalista e passou 22 dias no jogo.

Na época apresentado por Zeca Camargo, o No Limite "raiz", como brincam os ex-participantes, dava pouca coisa para quem vencia uma prova. Para quem perdia, menos ainda. Andrea lembra que certa vez recebeu como "prêmio" dois pedaços de sabão de coco em barra e lenços higiênicos após subir "200 vezes uma duna".

Em outro episódio, um grupo de cinco ou seis pessoas do qual fazia parte recebeu um pedaço de queijo que todos deveriam dividir. Assim, cada um só podia comer o equivalente à ponta de um dedo mindinho por dia. Ela emagreceu sete quilos.

Justamente por isso que surgem as comparações com temporada no ar. Já rolou churrasco, champanhe, cerveja gelada, show com Wesley Safadão, além de café da manhã e camas de hotel.

"No limite era o que a gente vivia, no limite da paciência, da superação, do sono mal dormido, do cansaço. Andávamos 18 quilômetros por dia. Não tinha nem protetor solar. Você desafiava a natureza", recorda Andrea.

Vice-campeã da competição, a gaúcha Patrícia Diniz, a Pipa, 51, que hoje trabalha como empresária e chef de confeitaria, revela que até desistiu de acompanhar a edição de 2021. Para ela, o reality parece um "BBB na praia".

"Não tenho assistido, fiquei muito desmotivada quando vi que eles ganharam um cooler de cerveja. Não vamos ao limite quando temos regalias. Em 2000, todos nós éramos inocentes, fomos ao extremo. Essa edição está diferente", opina Pipa, que emagreceu cerca de dez quilos no game.

"Nós competíamos para ganhar comida. Agora todos ganham tudo", emenda. Em um dos episódios, eles tiveram de caçar uma galinha se quisessem se alimentar. E assim foi feito. Naquele ano, a Globo foi criticada por ser carrasca demais.

Até a última terça (6), as equipes do reality comandado por André Marques disputavam duas provas por programa. A primeira valia alguns privilégios como comida mais farta, artigos de higiene e surpresas propostas pelos patrocinadores do No Limite. Já a segunda valia a imunidade (e mais uma semana no jogo).

Mas os dois grupos, Carcará e Calango, acabaram virando um só e agora os competidores formam a equipe Jandaia. A partir desta terça (13), André, Carol, Elana, Jéssica, Zulu, Paula e Viegas terão de competir cada um por si em busca do prêmio de R$ 500 mil.

E deve ser nesta terça que finalmente os telespectadores verão os participantes provarem iguarias exóticas como insetos e olho de cabra, tão famoso na primeira edição.

Vencedora da edição de 2000, a cabeleireira Elaine Melo, 55, diz que espera ansiosamente por esse momento. "Vai ter gente vomitando muito", diverte-se. "Na época [2000], a gente não pensava no que iria comer, mas sim na fome que sentíamos. O olho de cabra é emborrachado, parece uma bolinha de pingue-pongue de couro", explica.

Assim como os demais colegas de 2000, que inclusive têm um grupo no WhatsApp, Elaine não gosta muito do que vê hoje no No Limite. "Eu estava feliz quando começou o programa, mas então veio o pessoal com cervejinha, bolo, camarão e churrasquinho. Decepcionei um pouco. Queria vê-los passar o perrengue que eu passei. Perdi 12 quilos em 24 dias."

A cabeleireira, que ganhou R$ 300 mil e um carro pelo título, costuma fazer lives às terças-feiras para repercutir o episódio do dia. E compartilha suas insatisfações até mesmo com quem participa da atual edição, como Viegas.

"Eu falo com o Viegas que eles são todos 'Nutella'. Nós passamos muita fome. Está bem diferente, mas tem a ver com os novos tempos de patrocínios. Na nossa época tinha também, mas não influenciava no jogo", opina.

Um dos patrocinadores providenciou barracas, camas e cobertores quentinhos, além de um banquete para a equipe vencedora de uma prova. Em outro momento, os competidores ganharam luau com Wesley Safadão.

Mesmo sem tantos perrengues, dois competidores já pediram para sair. Foram os casos do surfista Lucas Chumbo que deixou a competição por uma crise gástrica, e Arcrebiano que sentia muita fome e preferiu quebrar seu amuleto.

Receba as notícias dos famosos, novelas, BBB e outros reality shows.

O mundo das celebridades com fotos, vídeos e noticias de actores, actrizes e famosos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Fama ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Brasil Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório