Meteorologia

  • 22 MAIO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Mourão defende 35 anos de contribuição para previdência de militares

Ele avaliou como benéfico o aumento do tempo de permanência no serviço ativo, ampliando-o de 30 para 35 anos

Mourão defende 35 anos de contribuição para previdência de militares
Notícias ao Minuto Brasil

14:17 - 21/01/19 por Folhapress

Economia mudanças

O presidente em exercício Hamilton Mourão defendeu nesta segunda-feira (21) duas mudanças que têm sido discutidas pela equipe econômica nas regras de aposentadoria de militares. Ele avaliou como benéfico o aumento do tempo de permanência no serviço ativo, ampliando-o de 30 para 35 anos, e o recolhimento da contribuição de 11% sobre a pensão recebida por viúvas de militares.

"São mudanças que seriam positivas para o país", disse Mourão, ao ser questionado pela imprensa. As propostas enfrentam resistência junto às Forças Armadas. Ao tomar posse, o novo comandante do Exército, Edson Pujol, defendeu que o atual sistema dos militares seja mantido.

+ Centrais sindicais ignoradas na formulação da reforma da Previdência

Mourão ressaltou, contudo, que as alterações têm sido discutidas pelas Forças Armadas e defendeu uma regra de transição, para quem já está no serviço militar, para o aumento do tempo de serviço

"Em tese, é um aumento, com uma tabela para quem já está no serviço, um tempo de transição", afirmou. No início da manhã, o presidente em exercício recebeu o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva. Ele não informou se o tema foi tratado na reunião.

"Foram dois amigos que vieram bater um papo. E fiz uma brincadeira com ele, que é botafoguense. Só isso", disse, referindo-se à derrota da equipe carioca na estreia do campeonato estadual.

+ 'Transição na Previdência vai ser suave', diz Onyx Lorenzon

O general, que assumiu o posto de presidente interino no domingo (20), com a viagem de Jair Bolsonaro à Suíça, disse que conduzirá a máquina pública "sem marola". "Só tocando a bola para o lado", afirmou.

Ele voltou a dizer que as suspeitas envolvendo o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente, não é um assunto de governo. "Esse assunto não comento mais. Não vem para cima do governo e é um problema do Flávio. Ele vai resolver isso aí", disse.

Na sexta-feira (18), um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) apontou movimentações atípicas de Flávio. Ele recebeu em sua conta bancária 48 depósitos em dinheiro no valor total de R$ 96 mil, depositados apenas em cinco dias.

Eles foram feitos no autoatendimento da agência bancária que fica dentro da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) sempre no valor de R$ 2 mil. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório