Meteorologia

  • 29 MARçO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Empresa de namorada de Aidar recebeu R$ 1 milhão da Under Armour

O órgão ressalta em sua investigação que Cinira Maturana atuou na intermediação do negócio entre a Under Armour e o clube, em 2015.

Empresa de namorada de Aidar recebeu R$ 1 milhão da Under Armour
Notícias ao Minuto Brasil

22:15 - 20/02/20 por Folhapress

Esporte CARLOS MIGUEL-AIDAR

SÃO PAULO, SP, E RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Registros de depósitos bancários em posse do Ministério Público mostram que uma empresa que tem Cinira Maturana, ex-namorada do ex-presidente do São Paulo Carlos Miguel Aidar, como dona recebeu cerca de R$ 1 milhão da companhia de material esportivo Under Armour.

O órgão ressalta em sua investigação que Maturana atuou na intermediação do negócio entre a Under Armour e o clube, em 2015. O assunto foi abordado diversas vezes em reuniões internas da agremiação, principalmente em acusações da oposição tricolor, que nunca comprovou o fato.

Em reunião com membros do Conselho Deliberativo, em outubro de 2015, o ex-vice-presidente Ataíde Gil Guerreiro apresentou documentos que sugeriam que a então namorada de Aidar recebeu comissão relativa à assinatura do contrato.

De acordo com a documentação exibida aos conselheiros do São Paulo na época, Maturana teria recebido R$ 6 milhões, em parcelas semestrais de R$ 500 mil, por meio de sua empresa, a TML Foco, que tem sede no Rio de Janeiro.

A comissão nunca foi confirmada, apesar de Aidar ter dito, no fim de 2014, que assinou contrato com sua então namorada dando participação a ela nos negócios que conseguisse levar ao clube - oficialmente, isso nunca ocorreu.

Os documentos aos quais a reportagem teve acesso mostram dois depósitos que condizem com a suspeita. Eles são de janeiro e julho de 2016, no valor de R$ 469.250,00 cada um.

A quebra de sigilo das empresas e contas de Cinira e Aidar compreendeu 17 meses, o que poderia explicar a existência de duas parcelas semestrais.

O acordo entre a Under Armour e o São Paulo foi polêmico desde o começo, quando o jornal Folha de S.Paulo revelou que uma empresa com sede em Hong Kong, chamada Far East, receberia R$ 18 milhões do clube por comissão.

A agremiação não explicou como se deu essa negociação nem disse qual foi o trabalho realizado pela Far East. O contrato acabou cancelado, mas a comissão de Cinira nunca foi esclarecida.

A reportagem tenta contato com Cinira desde a semana passada pelo número de celular fornecido por pessoas que a conhecem e pelo telefone cadastrado por sua empresa na Receita Federal, mas não obteve sucesso.

O ex-presidente do São Paulo disse que não está se pronunciando sobre o assunto e que ofereceu acesso a seu sigilo por vontade própria, antes de qualquer solicitação do Ministério Público.

Under Armour e São Paulo rescindiram contrato em dezembro de 2017, apesar de o acordo original ser válido até o fim de 2019, com valor previsto de R$ 135 milhões pelo período. A rescisão ocorreu, segundo as partes, por desentendimentos nos valores contratuais. O clube hoje tem material esportivo da Adidas.

A Under Armour disse que, por questões de confidencialidade, não divulga informações sobre valores e pagamentos referentes a contratos antigos ou vigentes dos parceiros da marca.

O Ministério Público chamou a atenção para o fato de que uma das principais fontes de recursos de Aidar na época da quebra do sigilo foram R$ 179 mil recebidos de uma sobrinha de Cinira Maturana, que integra o quadro societário de uma farmácia na cidade de Theobroma, em Rondônia, com capital social de R$ 30 mil.

Não há, segundo a investigação, registros de emprego ou veículos em seu nome. Ela também não atendeu aos contatos da reportagem.

Em janeiro de 2016, o Ministério Público aceitou um pedido para investigar denúncias de desvio de dinheiro na segunda gestão de Aidar (abril de 2014 a outubro de 2015) à frente do São Paulo.

Documentos da apuração classificam como suspeito o volume de depósitos em dinheiro nas contas dele após o clube pagar R$ 1 milhão ao Monte Cristo (GO), equipe que vendeu o zagueiro Iago Maidana ao time tricolor, em setembro de 2015.

A polêmica contratação do zagueiro foi o estopim de uma crise política no clube paulista, que culminou com a renúncia de Aidar, no mês seguinte, sob acusações de corrupção. Ele nega qualquer irregularidade.

Transmissões ao vivo dos jogos dos principais times do Brasileirão!

Veja resultados, notícias, entrevistas, fotos, vídeos e os bastidores do mundo do esporte

Obrigado por ter ativado as notificações do Esporte ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Brasil Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório