Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Huawei investiga ofensa a Apple e post com 'Vai Comunismo!' no Twitter

Huawei Mobile BR pediu desculpas pelas publicações feitas na página da empresa no Twitter

Huawei investiga ofensa a Apple e post com 'Vai Comunismo!' no Twitter
Notícias ao Minuto Brasil

13:50 - 28/11/19 por Folhapress

Tech Brasil

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O perfil da Huawei Mobile BR, dedicado a anunciar novidades sobre os dispositivos móveis da marca no Brasil, exibiu duas mensagens durante a madrugada desta quinta-feira (28) que resultaram em uma investigação interna na empresa. 

Em um post, o perfil da marca dizia: "Chegou a Black Friday. FODA-SEEE. Nem assim pobre vai poder comprar nossos aparelhos. VAI COMUNISMO!".

Logo depois, o perfil cutucou a Apple, rival na venda de smartphones. Após usar alguns palavrões mencionando a empresa americana, o post dizia "Motherfuckers, suck my dick! We are the best!" (Filhos da mãe, chupem meu pau! Nós somos os melhores!, na tradução do inglês).

A companhia apagou as duas publicações. Depois, uma terceira mensagem pedia desculpas e antecipava a Black Friday, programada para esta sexta-feira (29).

"Como sinceras desculpas, hoje em nossos quiosques oficiais os clientes terão surpresas e descontos em nossos produtos." Essa publicação também foi posteriormente deletada.

Presente no Brasil há mais de 20 anos no mercado de infraestrutura para telecomunicação, a Huawei voltou a vender smartphones no país em maio, depois de uma ausência de quatro anos no mercado.

Os preços da linha de reestreia, a P30, variam de R$ 1.200 a R$ 5.500. Ao reingressar nesse setor, a marca fez parcerias com lojas que davam até R$ 2.000 de desconto na oferta de smartphones.

Em nota, empresa afirma que identificou um uso indevido da conta da Huawei Brasil no Twitter na madrugada desta quinta e que investiga o ocorrido.

"A companhia reforça ainda que respeita o público e os concorrentes e desaprova qualquer comentário agressivo a quaisquer empresas", afirmou.

Nos últimos meses, o governo brasileiro tem recebido pressão dos Estados Unidos para que impeça a chinesa de concorrer no mercado de tecnologia 5G, cujo leilão está previsto para 2020.

O governo americano fez sanções à companhia chinesa e a acusa de espionagem. A empresa nega a prática e rebate que os EUA nunca apresentaram provas.

Nesta quarta (28), a superintendente da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), Karla Ikuma, indicou que o Brasil não pretende impor travas à fabricante.

O novo presidente-executivo da Huawei no Brasil, Yao Wei, se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro no dia 18 de novembro. A chinesa é hoje a maior fornecedora de equipamentos de rede de telefonia no mundo. Mais da metade das operadoras usa essa tecnologia.

Campo obrigatório