Meteorologia

  • 31 MAIO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Comércio paulista deve perder R$ 15 bi em faturamento em abril

A FecomercioSP defende a continuidade no isolamento e exige que os governos estaduais e federal sejam mais rápidos e definam medidas mais profundas de socorro às empresas.

Comércio paulista deve perder R$ 15 bi em faturamento em abril
Notícias ao Minuto Brasil

23:00 - 06/04/20 por Folhapress

Economia COMÉRCIO-SP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O comércio do estado de São Paulo estima uma perda de 45% do faturamento previsto para o mês de abril, com a prorrogação da quarentena em São Paulo, mas apoia a medida e recomenda a todos os associados que mantenham as portas fechadas.

Dos R$ 35 bilhões previstos em faturamento apenas no comércio - o cálculo não considera o setor de serviços - para um mês de abril, a estimativa da federação é que 45% desse valor se perca entre lojas fechadas e consumo menor.

O comércio emprega cerca de 1,3 milhão de pessoas. Há risco de demissões e muitos já começaram, mas as representações do setor dizem que o esforço é pela manutenção das vagas.

A FecomercioSP, federação que representa o segmento, defende que a continuidade no isolamento exige que os governos estaduais e federal sejam mais rápidos e definam medidas mais profundas de socorro às empresas.

O vice-presidente da FecomercioSP , Ivo Dall'Acqua, faz elogios aos anúncios mais recentes, como as medidas provisórias que permitiram a suspensão de contratos e a redução de salário e jornada, além da flexibilização na concessão de férias e feriados.

"A medida que permite a redução já foi publicada, mas o governo ainda não entregou as ferramentas para acesso", diz. Para ele, é possível que a equipe econômica esteja sobrecarregada, mas que o momento exige rapidez nas soluções.

"Temos que ser parceiros, mas precisamos de celeridade. A regra do pagamento dos informais demorou muito para ser publicada", afirma.

O dinheiro liberado pelo governo de São Paulo - R$ 650 milhões-, por meio do Banco do Povo e da Desenvolve SP, para capital de giro e investimento de empresas com faturamento de até R$ 300 milhões ao ano, é considerado irrisório.

"Esse valor equivale a meio dia de faturamento no comércio. Precisamos de medidas mais drásticas para injeção de liquidez", diz.

O dirigente da FecomercioSP afirma que as medidas de crédito anunciadas pelo governo federal ainda não chegam às empresas. "Você não consegue capital de giro a menos de 15% ao mês hoje", diz. Para ele, é necessário que os bancos públicos atuem de maneira agressiva na concessão de crédito.

Dall'Acqua diz que os governos também precisam começar a definir um plano que já contemple uma retomada, ainda que lenta e progressiva, das atividades comerciais.

"Estamos subindo um pouco o tom justamente porque estamos vendo mais ações no sentido de se reparar os problemas e menos no sentido de se prever a retomada", afirma. Para ele, a situação não vai ser resolvida tão cedo, para será controlada.

Parte das demandas apresentadas pelo setor já foi atendida, como o adiamento no pagamento do ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) para empresas do Simples Nacional. Para a FecomercioSP, é necessário prorrogar a medida por seis meses e estender o benefício a outros tipos de enquadramento.

Outras propostas, como a liberação do FGTS também são apontadas como importantes para dar capacidade de consumo às famílias. "No momento, todo mundo consome alimentos e produto de limpeza. Há muita dúvida se haverá emprego e como é que as coisas vão ficar", diz Dall'Acqua.

Campo obrigatório