Meteorologia

  • 14 ABRIL 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Petrobras recebe proposta de US$ 1,65 bilhão por refinaria da Bahia

Segundo a Petrobras, a conclusão da venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), localizada em São Francisco do Conde, depende ainda de aprovação de órgãos competentes

Petrobras recebe proposta de US$ 1,65 bilhão por refinaria da Bahia
Notícias ao Minuto Brasil

06:19 - 09/02/21 por Folhapress

Economia PETROBRAS-NEGÓCIOS

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Petrobras informou nesta segunda (8) que o fundo Mubadala fez a melhor oferta na concorrência para a venda de sua refinaria na Bahia, a segunda maior do país. O fundo, dos Emirados Árabes Unidos, ofereceu US$ 1,65 bilhão (cerca de R$ 8,8 bilhões, pela cotação atual).

Segundo a Petrobras, a conclusão da venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), localizada em São Francisco do Conde, depende ainda de aprovação de órgãos competentes.

Leia Também: Novo reajuste de combustíveis vai gerar 'chiadeira com razão', diz Bolsonaro

Se confirmada, será a primeira operação de venda de refinaria da estatal, desde que a empresa abriu processo para buscar interessados por oito das suas 13 refinarias, em 2019, sob o argumento de que precisa focar seus esforços na exploração do pré-sal.

Outro processo que estava adiantado, referente à Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná, foi suspenso, sob o argumento de que as propostas apresentadas ficaram abaixo da avaliação feita pela estatal. Uma nova concorrência será aberta.

Primeira refinaria de petróleo no país, a Rlam tem capacidade para processar 323 mil barris de petróleo por dia, que são transformados em 31 produtos. Além de gasolina, diesel, gás de cozinha e lubrificantes, é a única produtora nacional de "food grade", uma parafina de teor alimentício utilizada para fabricação de chocolates, chicletes, entre outros.

Leia Também: Mercado questiona preços da Petrobras

É responsável pelo abastecimento de parte da região Nordeste do país. Se a venda for aprovada, o fundo Mubadala ficará com a refinaria e as instalações logísticas a ela dedicadas, como um terminal de recebimento de petróleo e dutos de movimentação de óleo e combustíveis.

A FUP (Federação Única dos Petroleiros) afirmou que a oferta do fundo está abaixo do valor real da unidade, que ficaria entre US$ 3 bilhões e US$ 4 bilhões (R$ 16 bilhões a R$ 21 bilhões), segundo estudo do Ineep (Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), ligado à federação.

A projeção, disse o Ineep em nota, se baseia no valor presente dos fluxos de caixa, descontadas a taxa que reflete o risco do negócio, das despesas de capital (investimento em capital fixo) e necessidade adicionais de giro.

"A Rlam tem um potencial importante de geração de caixa futura que, a depender das premissas utilizadas, pode estar sendo subvalorizada nesse momento de venda", afirma o coordenador técnico do Ineep Rodrigo Leão.

A FUP ressalta ainda que a refinaria baiana é a maior produtora brasileira de óleo combustível, produto que ajudou a minimizar os impactos da pandemia sobre o caixa da Petrobras, diante do crescimento da demanda global por combustível de navegação com menor teor de enxofre, como o produzido no Brasil.

A Rlam é responsável por cerca de um terço da produção nacional de óleo combustível, diz a federação dos petroleiros. No fim de 2020, o produto era vendido a preço maior do que o cobrado pelo óleo diesel nas refinarias da estatal.

"A gestão da Petrobrás vai entregando ativos lucrativos e importantes para o resultado da empresa. Com a venda de tantos ativos que dão lucro, o que será da Petrobrás?", reclama o coordenador geral da entidade, Deyvid Bacelar.

A venda das refinarias é respaldada por termo de compromisso assinado com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) em 2019, se comprometendo a reduzir sua presença no segmento de refino em troca de suspensão de investigações de condutas anticompetitivas.

O governo defende ainda que a competição com empresas privadas ajuda a blindar a Petrobras contra interferências em sua política de preços dos combustíveis e pode ajudar a baixar os preços da gasolina e do diesel no país.

Para críticos do processo de venda de ativos da Petrobras, porém, a transferência do controle da unidade representará apenas a troca de um monopólio estatal por um privado, já que a distância para outras unidades de refino no país seria um limitador para a competição.

Em seu plano de negócios, a Petrobras prevê ficar só com as três refinarias de São Paulo e com a Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no Rio, concentrando sua atividade de venda de combustíveis nas regiões Sudeste e Centro-Oeste.

No comunicado divulgado nesta segunda, a empresa diz que os processos competitivos para venda de unidades de refino e produção de lubrificantes no Amazonas, em Pernambuco, em Minas Gerais, no Ceará e no Paraná "continuam em andamento visando a assinatura dos contratos de compra e venda".

Campo obrigatório