Meteorologia

  • 13 NOVEMBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Arrecadação perde fôlego e sobe 0,26% em setembro

Dados foram divulgados pela Receita Federal nesta quarta-feira (24)

Arrecadação perde fôlego e sobe 0,26% em setembro
Notícias ao Minuto Brasil

13:02 - 24/10/18 por Folhapress

Economia Receita

A arrecadação federal perdeu fôlego em setembro e teve alta de 0,26%, descontada a inflação, na comparação com mesmo mês do ano passado.

Dados divulgados pela Receita Federal nesta quarta-feira (24) mostram que quando se olha somente a receita administrada pelo órgão (ou seja, apenas tributos), houve queda de 0,39% na mesma comparação.

+ Bolsonaro provocaria rombo de R$ 27 bilhões com reforma tributária

A arrecadação federal é composta pela receita com tributos, que representa mais de 97% do total, e por outras receitas, como royalties de petróleo, que tiveram alta de 39,7% no mês passado por causa do pico de preço do produto no mercado internacional.

Além da perda de ritmo que já era esperada para o segundo semestre, em setembro de 2017 o pagamento da entrada do novo Refis permitiu uma arrecadação R$ 2,7 bilhões maior do que neste ano. Ou seja, a base de comparação era mais elevada, o que reduziu a alta.

O ritmo mais lento de crescimento já havia aparecido em agosto, quando o crescimento da arrecadação federal foi de 1,08% em relação ao oitavo mês do ano passado. Em julho, por exemplo, a alta superou 12%.

A tendência é que essa perda de fôlego se acentue nos próximos meses. Entre janeiro e setembro, o crescimento da arrecadação soma 6,21%, enquanto a projeção da Receita para o ano é de alta entre 3% e 3,45%.

A Receita destacou que a arrecadação de IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica) e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), que são tributos pagos por empresas, tiveram alta de 21,3% no mês passado.

O órgão citou a melhora no resultado das empresas e a redução nas compensações de tributos, consequência de uma mudança de regra pela Receita, como causa do crescimento.

A Receita endureceu a lei que rege a compensação, pelas empresas, de dívidas dos impostos sobre a renda de empresas com créditos tributários no regime de recolhimento por estimativa. Com informações da Folhapress. 

Campo obrigatório