Meteorologia

  • 22 JUNHO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

'É inimaginável olhar para ele e ver um monstro', diz Eduardo Paes sobre Dr. Jairinho

Jairinho foi líder de governo de Paes na Câmara Municipal pelos quatro anos de seu segundo mandato à frente da cidade

'É inimaginável olhar para ele e ver um monstro', diz Eduardo Paes sobre Dr. Jairinho
Notícias ao Minuto Brasil

04:37 - 19/04/21 por Folhapress

Justiça Caso Henry Borel

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), afirmou que "é inimaginável olhar para" o vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho, preso sob suspeita de matar o enteado Henry Borel, 4, "e ver um monstro".

Jairinho foi líder de governo de Paes na Câmara Municipal pelos quatro anos de seu segundo mandato à frente da cidade, entre 2013 e 2016.
"Ele foi meu líder de governo porque era um político habilidoso, com muita liderança na Câmara. Estou chocado, triste. É inimaginável olhar para ele e ver um monstro", afirmou o prefeito em entrevista à Folha de S.Paulo.

Jairinho e a mãe de Henry, Monique Medeiros, estão presos temporariamente desde o último dia 8 de abril. Eles são investigados pelo crime de homicídio do menino, morto no dia 8 de março na Barra da Tijuca, na zona oeste carioca.
A suspeita é de que o casal atrapalhou as investigações após assassinar a criança, que já teria sido submetida a torturas antes no apartamento em que morava com a mãe e o padrasto desde janeiro.

Além de líder de Paes, o vereador assumiu o mesmo cargo na Câmara Municipal na gestão Marcelo Crivella (Republicanos), eleito em oposição ao atual prefeito. Paes venceu Crivella na eleição do ano passado com apoio de Jairinho.

"Tenho visto posts [dizendo]: 'Ele apoiou [o presidente Jair] Bolsonaro, foi líder do [ex-prefeito Marcelo] Crivella'. Temos que ter um mínimo de responsabilidade, e a imprensa tem que ajudar nisso. É um gesto individual em parceria com aquela mãe -sei lá que nome dou para essa mãe, outra monstra-, que não deve se creditar em ninguém que tenha convivido ou trabalhado para ele. Isso não é um vírus, como o coronavírus, que é transmitido pelo ar. Monstruosidades não são transmissíveis pelo ar", disse o prefeito.

Jairinho foi citado cinco vezes como líder de milícia em um estudo feito com moradores de áreas dominadas por esses grupos criminosos na zona oeste do Rio de Janeiro.
O político também foi citado em 37 ligações ao Disque-Denúncia antes do caso, desde 2004, segundo levantamento feito pela Folha.

A maioria delas tem relação direta com as eleições municipais e se refere aos bairros de Bangu, Padre Miguel e Realengo, na zona oeste da cidade, reduto eleitoral de sua família.

A suposta ligação com milicianos, bicheiros ou traficantes é a causa mais frequente, considerando que cada denúncia pode ter mais de um motivo. Em 15 ocasiões, pessoas mencionaram o nome do vereador nessas circunstâncias, muitas vezes relacionado ao do pai, o ex-deputado estadual Coronel Jairo, ambos eleitos pelo Solidariedade.

"Nunca se confirmou e nunca percebi nenhuma relação dele com a milícia. Com todo respeito, tudo é irrelevante perto da monstruosidade que ele cometeu. Estou triste, chocado e pasmo", afirmou Paes.

Coronel Jairo, pai do vereador, foi citado ainda no relatório da CPI das Milícias realizada na Assembleia do Rio, em 2008, mas não foi indiciado porque não havia provas. A Polícia Civil também investigou se o então deputado havia tido envolvimento com a tortura de uma equipe de reportagem do jornal "O Dia" na favela do Batan, na zona oeste.

A corporação chegou a apurar a informação de que, pouco antes do sequestro, os jornalistas haviam sido abordados por um homem que se apresentou como assessor de Jairo, identificado como "Betão".

Em texto publicado na revista "piauí" em 2011, o fotógrafo Nilton Claudino, torturado por sete horas, afirma que um vereador, filho de um deputado estadual, esteve presente na sessão de tortura.
"A repórter reconheceu a voz de um vereador, filho de um deputado estadual. E ele a reconheceu. Recomeçou a porradaria. Esse político me batia muito. Perguntava o que eu tinha ido fazer na zona oeste. Questionava se eu não amava meus filhos", escreveu.

Não houve elementos suficientes na investigação para incriminar Jairo. Ele sempre negou qualquer relação com grupos milicianos.

Campo obrigatório