Meteorologia

  • 24 MAIO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Bolsa cai quase 1% em dia negativo e com fala de Bolsonaro em Davos

O dólar recuava e passou a subir, agora caminhando para perto dos R$ 3,80

Bolsa cai quase 1% em dia negativo e com fala de Bolsonaro em Davos
Notícias ao Minuto Brasil

19:20 - 22/01/19 por Folhapress

Economia MERCADO FINANCEIRO

O dia negativo para os mercados financeiros no exterior, reflexo de um temor de novo acirramento da disputa comercial entre Estados Unidos e China, ganhou um componente adicional no Brasil com o discurso de Jair Bolsonaro (PSL) em Davos, considerado decepcionante.

O Ibovespa, principal índice acionário do país, já tinha um dia fraco, mas acelerou as perdas após a fala de menos de 10 minutos de Bolsonaro. Ao longo da tarde, nova rodada de perdas foi disparada pela piora no mercado acionário americano.

A Bolsa brasileira encerrou o dia em queda de 0,94%, a 95.103 pontos. O giro financeiro foi menor que o dos últimos pregões, R$ 13,774 bilhões.

+ Guedes diz a investidores que haverá consenso para aprovar Previdência

Analistas do mercado financeiro minimizam a primeira impressão ruim do novo presidente brasileiro em apresentação ao mercado financeiro. Marcelo Giufrida, sócio da Garde Investimentos, diz que o novo governo traçou uma estratégia de não detalhar muito do que virá da reforma da Previdência enquanto o novo congresso não tomar posse.

Por isso, investidores não deveriam esperar nada muito específico sobre a reforma da Previdência, diz. "Particularmente nesse ponto, o discurso não me surpreendeu. Não adianta conquistar todo mundo e não aprovar a reforma no Congresso." Mas ele acrescenta que o discurso foi rápido e muito superficial e "perdeu chance de fazer alguma coisa mais ambiciosa".

Para Alvaro Bandeira, economista-chefe da corretora Modalmais, a frustração reflete um discurso pouco incisivo e falhou em abordar temas que interessam a investidores internacionais. "Faltou ser mais incisivo, dizer eu vou fazer o ajuste fiscal, eu vou fazer reforma da Previdência", diz Bandeira.

+ Leia a íntegra do discurso de Bolsonaro no Fórum Econômico de Davos

Victor Candido, da Guide Corretora, acrescentou ainda que seria incoerente o governo apresentar a reforma da Previdência no exterior sem antes discuti-la localmente. Para ele, novos trechos do projeto devem começar a ser noticiados informalmente assim que o presidente retornar da Suíça. Seria a repetição do instrumento de balão de ensaio, divulgar propostas e testar a recepção junto à opinião pública.

Analistas dizem que não veem risco de derrota da reforma da Previdência no Congresso com o escândalo político relacionado a Flávio Bolsonaro, senador eleito (PSL-RJ) e filho do presidente.

"Acho que o negócio está mal explicado, mas está naquela fase inicial em que o governo que tem muito poder", afirma Giufrida. Para ele, o impacto maior, por enquanto, será sobre a opinião pública, que está decepcionada. Candido concorda que, por enquanto, a situação está "sob controle".

O economista-chefe da Guide diz, porém, que esse é um dos três riscos que precisam ser monitorados pelo mercado. Além do escândalo, é preciso acompanhar a cirurgia do presidente e também o cenário externo.

Ao final do pregão, os principais índices americanos recuavam ao redor de 2%. No final da tarde, o jornal Financial Times noticiou que os Estados Unidos se recusaram enviar emissários para uma reunião preparatória para a negociação entre os dois países que tem chances de por fim à disputa comercial travada há quase um ano.

+ Arábia Saudita descredencia 33 unidades de carne de frango do Brasil

Durante reunião do G20, no final de novembro, os dois países acertaram uma trégua de 90 dias para costurar um acordo e o primeiro encontro, no começo do mês, havia sido considerado um sucesso por investidores. O prazo se encerra em março.

A disputa entre os dois países também azeda o câmbio. O dólar começou o dia em queda e chegou a ser cotado a R$ 3,7470, mas fechou em alta de 1,14%, a R$ 3,8040. É o maior patamar desde 2 de janeiro, o primeiro dia de negócios após a posse de Bolsonaro.

A moeda já havia entrado em um ciclo seis sessões de alta, apesar do otimismo do mercado com o país. No exterior, de 24 divisas emergentes, 20 perderam valor para o dólar. Com informações da Folhapress. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório