WikiLeaks diz que rede de Assange foi cortada após pedido de Kerry

Desde o início do mês, o WikiLeaks vem divulgando e-mails com posições de Hillary, entre eles trechos de palestras da democrata feitos a bancos

© REUTERS/Neil Hall
Mundo polêmica 18:57 - 18/10/16 POR Notícias Ao Minuto

Em meio à divulgação de uma série de e-mails do círculo próximo da candidata democrata Hillary Clinton, o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, afirmou que teve sua internet cortada de forma súbita na Embaixada do Equador em Londres, onde vive há mais de quatro anos.

PUB

"Podemos confirmar que o Equador cortou o acesso de Assange à internet no sábado, às 17h GMT [15h em Brasília], pouco após a publicação de [discursos de Hillary] Clinton para Goldman Sachs ", disse o WikiLeaks nesta segunda (17).

Desde o início do mês, o WikiLeaks vem divulgando e-mails com posições de Hillary, entre eles trechos de palestras da democrata feitos a bancos, após a agora candidata ter deixado seu cargo na administração Barack Obama.

Neles, a ex-secretária de Estado revela opiniões favoráveis ao mercado financeiro e ao livre comércio, o que contrasta com seu discurso na corrida à Casa Branca.

Segundo o WikilLeaks, as mensagens foram retiradas do e-mail do chefe de campanha da democrata, John Podesta.

Nesta terça (18), o grupo acusou o secretário de Estado americano, John Kerry, de pedir pessoalmente ao Equador para que a publicação de documentos sobre Hillary fosse interrompida. Citando "múltiplas fontes americanas", o WikiLeaks disse que a demanda foi feita às margens de encontros no mês passado com Kerry, durante o acordo de paz com as Farc na Colômbia.

O Departamento de Estado dos EUA negou a acusação.

"Apesar das nossas preocupações sobre o WikiLeaks serem duradouras, qualquer sugestão de que o secretário Kerry ou o Departamento de Estado estejam envolvidos na interrupção do WikiLeaks são falsas", disse o porta-voz da secretaria, John Kirby.

A chancelaria do Equador reafirmou o status de asilado de Assange e disse que "sua proteção pelo Estado do Equador continuará enquanto permanecerem as circunstâncias que levaram à concessão do asilo".

Assange está alojado na embaixada equatoriana desde junho de 2012, quando pediu asilo para evitar uma extradição para a Suécia, onde é acusado de crimes sexuais. O governo britânico já deixou claro que, se ele sair da embaixada, será preso.

Até agora, sua estadia na embaixada não evitou que ele continuasse a exposição de segredos de Estado e negociações comerciais.

Nas duas últimas semanas, autoridades do Partido Democrata e agências do governo dos Estados Unidos acusaram o governo russo de realizar uma campanha de ciberataques contra organizações do partido antes das eleições presidenciais, em 8 de novembro.

Se o motivo da interrupção do acesso à internet tiver motivação diplomática, vai de encontro com a posição do presidente do Equador, Rafael Correa, que disse recentemente em entrevista que prefere Hillary contra o adversário republicano, Donald Trump.

Há quem duvide, porém, que Correa tenha se dobrado à pressão norte-americana.

Leia também: Snowden sai em defesa de internet para Assange

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS

X