Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Senador americano diz que Bolsonaro explora medo para ganhar poder

"Bolsonaro, que disse adorar Donald Trump, exaltou a ditadura militar brasileira", afirmou Bernie Sanders

Senador americano diz que Bolsonaro explora medo para ganhar poder
Notícias ao Minuto Brasil

12:21 - 10/10/18 por folhapress

Mundo discurso

O senador americano democrata Bernie Sanders, que assinou uma carta em julho deste ano criticando o julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), afirmou que o candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, é um exemplo de demagogo que explora o medo e o sofrimento das pessoas para ganhar e manter o poder.

"Bolsonaro tem um longo histórico de ataques contra imigrantes, minorias, mulheres e a população LGBT. Bolsonaro, que disse adorar Donald Trump, exaltou a ditadura militar brasileira e afirmou, entre outras coisas, que, para lidar com o crime, a polícia deveria ser autorizada a atirar em mais criminosos", afirmou o senador.

"Essa é a pessoa que poderá em breve liderar o quinto país mais populoso e a nona maior economia do mundo."

O discurso foi feito nessa terça-feira (9), durante um evento realizado pela SAIS (Escola de Estudos Internacionais Avançados) da Universidade Johns Hopkins, em Washington.

A proposta era discutir como construir um movimento democrático global para combater o autoritarismo.

+ Suspeito de estuprar e matar jornalista búlgara é preso na Alemanha

Sanders também afirmou para a plateia que Lula, "o político mais popular" do país, está preso por causa de "alegações altamente questionáveis".

O ex-presidente, preso desde abril deste ano, foi condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro e é réu em outros seis processos.

Para o senador, o mundo assiste à ascensão de um novo eixo autoritário, patrocinado por líderes como Bolsonaro, Donald Trump, o russo Vladimir Putin, o filipino Rodrigo Duterte e o turco Recep Tayyip Erdogan.

Apesar de se diferenciarem em alguns aspectos, compartilham características como "a intolerância em relação a minorias étnicas e religiosas, a hostilidade às normas democráticas, o antagonismo em relação à imprensa livre e a constante paranoia sobre conspirações estrangeiras", segundo ele.

O fato de o presidente da "democracia mais antiga e poderosa" do mundo desrespeitar normas democráticas e atacar a imprensa e o Judiciário estaria inspirando outros líderes com tendências autoritárias a fazerem o mesmo.

A solução para combater o autoritarismo, diz Sanders, é criar um "forte movimento progressista global" que atenda às necessidades dos trabalhadores e que reconheça que os problemas que o mundo enfrenta são fruto de um "status quo falido".

"Precisamos de um movimento que una pessoas ao redor do mundo que não buscam voltar a um passado romantizado, o qual não funcionou para muitos, mas que lutam por algo melhor."

A carta assinada por Bernie Sanders, pré-candidato à Presidência dos Estados Unidos em 2016, e outros 28 congressistas americanos foi escrita após a prisão de Lula e a morte da vereadora e ativista Marielle Franco (PSOL), no Rio de Janeiro.

O documento, enviado ao governo brasileiro, denunciava a "intensificação do ataque à democracia e aos direitos humanos no Brasil" e pedia a liberdade de Lula e uma investigação internacional para o caso de Marielle. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório