Meteorologia

  • 02 JULHO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Ministros decidem manter investigação sobre Lula no STF

Maioria dos ministros concordou com o relator Teori Zavascki de que as investigações sobre o ex-presidente devem ficar com o STF e não com o juiz Sergio Moro

Ministros decidem manter investigação
sobre Lula no STF
Notícias ao Minuto Brasil

20:49 - 31/03/16 por Notícias Ao Minuto

Política Investigação

A maioria do ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os processos da Operação Lava Jato que tenham o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sejam apreciados pelo STF e não mais pela Justiça Federal, especificamente o juiz Sérgio Moro.

Em sessão plenária na tarde desta quinta-feira (31), sete ministros concordaram com a decisão liminar do relator Teori Zavascki e um foi contra.

Ministros que foram a favor de que o STF fique com a investigação de Lula: Ricardo Lewandowski,

Celso de Mello,

Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Edson Fachin, Rosa Weber, Roberto Barroso, Marco Aurélio.

O ministro Luiz Fux foi o único a votar contra a decisão do relator.

O ministro divergiu de Teori Zavascki ao só admitir a suspensão quanto a pessoas com prerrogativa de foro.

Discussão

O ministro Teori disse que a aplicação de decisão liminar se justifica pela urgência e plausibilidade do pedido do governo.

Durante a sessão, o advogado-geral da União José Eduardo Cardozo falou em nome da Presidência, autora do pedido para remeter ao STF as investigações que envolvam o ex-presidente Lula na Operação Lava Jato.

Cardozo destacou que houve uma clara ofensa à União nas ações de Moro. No entanto, também avaliou que o juiz Sérgio Moro presta bons e inegáveis serviços. "Magistrado culto e abnegado", afirmou.

Relatório do ministro Teori Zavascki

Na decisão, de 22 de março, Zavascki argumentou que compete somente ao STF avaliar como deve ser feita a divisão de investigações quando há indícios de envolvimento de autoridades com foro privilegiado, como Dilma e ministros.

No mesmo despacho, Zavascki decretou novamente o sigilo sobre as interceptações. No prazo de dez dias, Moro deveria prestar informações ao STF sobre a retirada do segredo de Justiça das investigações.

Notícia em atualização.

Campo obrigatório