Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Fiz apelo ao Macron para deixar de ser tão protecionista', diz Lula sobre acordo com UE

Lula comentou sobre o fracasso de acordo do Mercosul com a União Europeia

Fiz apelo ao Macron para deixar de ser tão protecionista', diz Lula sobre acordo com UE
Notícias ao Minuto Brasil

05:49 - 08/12/23 por Folhapress

Economia Negócios

RIO DE JANEIRO, RJ, E BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva abriu nesta quinta-feira (7) o encontro dos chefes de Estado do Mercosul atribuindo às nações europeias o fracasso no acordo de livre comércio entre os dois blocos de nações.

Lula afirmou haver um protecionismo do presidente francês, Emmanuel Macron, aos produtos agrícolas do país. O chefe do Planalto também ressaltou a necessidade de proteger as compras governamentais dos países do Mercosul.

"Fiz um apelo ao Macron para deixar de ser tão protecionista. Todos eles são protecionistas em relação ao mercado agrícola. Eles não levam em conta que podemos participar desse sol, de um mercado extraordinário", disse Lula.

"A questão das compras governamentais é muito importante para um país se desenvolver. Não dava para a gente abrir do jeito que eles queriam que a gente abrisse."

O debate sobre as compras governamentais é um dos principais entraves ao termo atual do acordo. Uma reivindicação de Lula é impedir que empresas europeias possam concorrer em licitações brasileiras.

Lula afirmou que o futuro acordo deve contribuir para a industrialização dos países do Mercosul.

"Estranho a falta de flexibilidade deles de entender que nós ainda temos muita coisa para crescer, temos o dever de nos industrializar. E precisamos de flexibilizar, deles comprarem alguma coisa nossa com maior valor agregado. Mas eles não estão sensíveis para isso", afirmou.

Havia a expectativa do governo brasileiro e da presidência da União Europeia de que fosse possível fechar os termos do acordo para anunciá-lo na Cúpula do Mercosul, nesta quinta (7). No entanto, os últimos dias mostraram percalços maiores do que estavam sendo antecipados pelos negociadores.

No último sábado (1°), Macron, afirmou que é contrário ao acordo por considerá-lo "antiquado". Um dia depois, o comissário do comércio da União Europeia, Valdis Dombrovskis, cancelou a viagem que faria ao Brasil para acompanhar a reunião do Mercosul

No discurso, Lula admitiu que não conseguiu chegar aos resultados concretos que esperava quando assumiu a presidência temporária do bloco. A declaração é uma resposta às críticas feitas pelo chanceler do Uruguai, Omar Paganini, de que o Brasil não trouxe "resultados concretos" -entre eles o acordo Mercosul-União Europeia

"Cada um de vocês, quando exercerem a presidência, vai exercer com muita vontade de fazer muita coisa. E depois a gente se dá conta que nem tudo acontece do jeito que a gente quer. Mas o dado concreto é que nós estamos avançando", disse Lula no discurso.

"Eu tenho como lema não desistir nunca. Porque não existe nada que seja impossível da gente concretizar, mesmo essa tentativa de acordo com a União Europeia. Já está durando há 23 anos, mas a gente tem que continuar tentando."

Lula também criticou as exigências ambientais feitas pela União Europeia para fechar os termos do acordo.

"A União Europeia precisa reconhecer a credibilidade dos dados dos nossos sistemas nacionais de monitoramento e certificação do desmatamento. Eu não vou ficar prestando contas das coisas que a gente faz para qualquer um. Tratamos das questões ambientais com muita seriedade."

O presidente brasileiro também criticou o texto de 2019 acordado na gestão Jair Bolsonaro (PL) com a União Europeia.

"Herdamos uma versão do governo passado, que vocês conhecem. A versão era inaceitável, porque nos tratava como se nos fôssemos seres inferiores. Diria até que nos tratava como se fôssemos países colonizados ainda. Com falta de respeito e ainda ameaçando."

Campo obrigatório