Meteorologia

  • 16 ABRIL 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Dólar hesita em meio a fôlego curto no exterior por espera de China, Powell e payroll

De forma pontual, a moeda norte-americana teve um viés de alta frente o real com ajustes aos ganhos dos juros dos Treasuries e do dólar ante alguns pares emergentes do real

Dólar hesita em meio a fôlego curto no exterior por espera de China, Powell e payroll
Notícias ao Minuto Brasil

13:00 - 04/03/24 por Estadao Conteudo

Economia Mercado financeiro

O dólar hesita no mercado local na manhã desta segunda-feira, 4. Exibia baixa leve há pouco, como na abertura, diante do desempenho lateral do índice DXY da moeda norte-americana frente outros seis pares rivais em meio à agenda do dia mais fraca e expectativas sobre eventual anúncio de medidas de estímulos pelo governo da China, que realiza a partir de amanhã reuniões plenárias anuais até o dia 10.

De forma pontual, a moeda norte-americana teve um viés de alta frente o real com ajustes aos ganhos dos juros dos Treasuries e do dólar ante alguns pares emergentes do real, como peso chileno e peso mexicano, diante da queda do petróleo e de 0,11% do minério de ferro para maio em Dalian, na China. Já o minério de ferro negociado na Bolsa de Cingapura, para entrega em abril de 2024, valorizou 2,08%.

As atenções locais ficam hoje no presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que faz palestra na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a partir das 10h30, em meio a incertezas sobre o tamanho do ciclo de corte da taxa Selic em meio a expectativas majoritárias de início da flexibilização monetária nos EUA apenas em junho.

A diretora do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) Adriana Kugler disse na sexta-feira que está confiante quanto à queda da inflação nos Estados Unidos, mas afirmou que é preciso cautela e seguir monitorando o progresso de dados econômicos para tomar suas próximas decisões.

Também serão monitorados ao longo do dia o diretor de Regulação, Otavio Damaso, que participa, por videoconferência, de entrevista coletiva sobre a Lista de Prioridades da Diretoria de Regulação em 2024, às 14h30. Os diretores do BC Damaso, Diogo Guillen (Política Econômica) e Paulo Picchetti (Assuntos Internacionais) participam de reunião trimestral com economistas em São Paulo.

No exterior, os ajustes dos mercados são moderados com investidores à espera também nos próximos dias da decisão de juros do BCE, discursos do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) e o relatório oficial de empregos (payroll) dos Estados Unidos, na sexta-feira. No Brasil, a agenda traz nota do setor externo, produção industrial, balança comercial, IGP-DI e o resultado do setor público consolidado.

Para o BCE, a expectativa é que a autoridade monetária deixe seus principais juros inalterados pela quarta vez seguida, uma vez que a inflação na zona do euro segue bem acima da meta oficial, que é de 2% no médio prazo. Por outro lado, o BCE também deverá reduzir projeções de inflação, em um aceno a eventuais cortes de juros mais adiante.

Às 9h53, o dólar à vista cedia 0,03%, a R$ 4,9540. O dólar para abril recuava 0,05%, aos R$ 4,9645.

Leia Também: Embraer negocia 1ª linha do cargueiro KC-390 fora do Brasil

Campo obrigatório