Meteorologia

  • 20 MAIO 2024
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Juros americanos, alta do dólar e temores fiscais ameaçam queda da Selic

A alta taxa básica de juros dos Estados Unidos estabelece restrições ao restante das economias mundiais, que recaem com maior peso sobre países emergentes como o Brasil

Juros americanos, alta do dólar e temores fiscais ameaçam queda da Selic
Notícias ao Minuto Brasil

12:36 - 17/04/24 por Folhapress

Economia BC-JUROS

(FOLHAPRESS) - Com a indicação de juros altos por mais tempo nos Estados Unidos, a alta do dólar e o avanço das commodities nas últimas semanas, o ciclo de cortes da Selic (taxa básica de juros) no Brasil está ameaçado, segundo a avaliação do mercado.

Economistas consultados pelo boletim Focus, do Banco Central, aumentaram sua previsão para a Selic neste ano pela primeira vez em 15 semanas. Agora, as projeções mostram a taxa básica de juros brasileira em 9,13% ao ano no fim de 2024, ante 9,0% de boletins anteriores.

O próprio Copom (Comitê de Política Monetária) sinalizou uma possível redução no ritmo. Em seu último comunicado, o comitê alterou um trecho em que indicava cortes de 0,50 ponto percentual em decisões futuras. Agora, vê um corte desta magnitude apenas em mais uma reunião.

Na ocasião, o Copom avaliou que "as conjunturas doméstica e internacional estão mais incertas, exigindo cautela na condução da política monetária".

A declaração reflete o cenário enxergado por alguns agentes do mercado, onde o afrouxamento da taxa básica de juros pode perder espaço. Nas curvas de juros futuros locais, um corte de 0,25 ponto percentual na reunião de maio, e não de 0,50 ponto, tornou-se a aposta majoritária. Atualmente, a Selic está em 10,75% ao ano.

O Itaú, por exemplo, revisou de 9,25% para 9,75% ao ano sua previsão para a Selic no fim do ano após os últimos dados de inflação americana, puseram fim às apostas de cortes de juros em junho no país e desencadearam um salto no dólar.

A alta taxa básica de juros dos Estados Unidos estabelece restrições ao restante das economias mundiais, que recaem com maior peso sobre países emergentes como o Brasil.

Com altas taxas de rendimento, títulos norte-americanos tornam-se especialmente atrativos para investimento globalmente, devido à percepção de segurança sobre esses ativos. Para se manter atraente aos investidores estrangeiros, o Brasil se vê restrito a manter uma taxa de juros também elevada.

A alta dos títulos também contribui para o avanço global do dólar, que subiu a R$ 5,268 nesta terça e acumula alta de 8,57% ante o real neste ano, piorando ainda mais o risco de alta da inflação.

"A trajetória de desinflação em economias desenvolvidas tem se mostrado errática e o início de cortes de juros tem sido adiado, o que tende a ter impacto sobre a taxa de câmbio. Internamente, os reajustes salariais seguem superando a inflação, a inflação de serviços tem ficado mais pressionada na margem, e as expectativas de inflação encontram-se acima da meta há alguns trimestres", diz Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú.

Segundo o último IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), a inflação do grupo de serviços desacelerou de 5,25% para 5,09% no acumulado de 12 meses, ainda acima do IPCA total, que está em 3,93%. A meta de inflação definida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) é de 3%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

O preço do petróleo também preocupa. O petróleo Brent acumula alta de quase 17% neste ano, sendo vendido acima de US$ 90 o barril, ameaçando uma nova alta na inflação.

A XP Investimentos, em suas últimas projeções, destacou a subida da commodity como um novo risco altista para a inflação mundial e afirma que as expectativas do mercado para a inflação devem subir. A previsão da casa para a Selic é de 9,00%, com viés de alta, e não foi revisada desde os últimos dados americanos.

Na análise da XP, após a Selic chegar a 9,75% -o que ocorreria em junho-, os cortes devem reduzir em tamanho, passando para 0,25 ponto percentual. Os analistas afirmam que a tendência expansionista da política fiscal deve manter a atividade econômica aquecida e que a inflação de bens pode acelerar ao longo do segundo semestre com a subida das commodities.

"Em outras palavras, a inflação está acima da meta e não vemos nenhum fator importante que possa reduzi-la nos próximos trimestres", afirmou Caio Megale, economista-chefe da XP.

As incertezas sobre o cenário fiscal brasileiro também são citadas como risco para o ciclo de corte de juros no país, e a decisão do governo de mudar a meta de superávit de 2025 para zero piorou essa percepção.

Cristian Pelizza, economista-chefe da Nippur Finance, explica que o déficit público tem impacto direto sobre a expectativa de inflação.

"O governo com um fiscal desalinhado gera pressão de demanda que impacta os preços, e isso gera um aumento na expectativa de inflação. Isso carrega os juros para cima de forma quase automática. Com um cenário externo desfavorável, conflito no Oriente Médio, subida de commodities e juros americanos altos, essa pressão do lado fiscal acaba prejudicando", diz Pelizza.

As curvas de juros futuros, aliás, estão em alta consistente nas últimas semanas. Os contratos com vencimento em janeiro de 2033 saíram de 10,36% para 11,99% desde o início do ano.

Para o Santander, que no início do mês elevou a projeção para a taxa Selic ao fim de 2024 para 9,00%, ante 8,50% anteriormente, "equilíbrio fiscal ainda é uma questão a ser monitorada de perto".

Mesmo as instituições que mantêm as projeções inalteradas consideram um risco de alta em análises.

O C6 Bank, por exemplo, projeta que a Selic termine o ano em 9,25%, mas considera revisar para cima a previsão. Segundo o economista-chefe do banco, Felipe Salles, pressões inflacionárias como a alta do dólar e o cenário macroeconômico incerto leva bancos centrais a serem mais cautelosos.

No exterior, declarações de autoridades da política monetária reforçam a tese de aperto nos juros americanos no futuro próximo. Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (banco central americano), afirmou nesta terça em evento no Canadá que "os dados recentes de inflação não deram maior confiança" [para cortar os juros], e levará mais tempo do que o esperado para alcançá-la".

Já Christine Lagarde, presidente do BCE (Banco Central Europeu), disse que a zona do euro permanece no caminho para reduzir as taxas "em um prazo razoavelmente curto", a depender da progressão dos conflitos no Oriente Médio.

Campo obrigatório