Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Trabalhador perto da aposentadoria fugirá da idade mínima do INSS

Para quem vai começar a trabalhar ou entrou no mercado há pouco tempo, as mudanças podem ser mais duras

Trabalhador perto da aposentadoria
fugirá da idade mínima do INSS
Notícias ao Minuto Brasil

17:21 - 20/07/16 por Notícias Ao Minuto

Economia Previdência

Uma das principais propostas em discussão para a reforma da Previdência é a comprovação de idade mínima para requerer o benefício da aposentadoria, mas trabalhadores que estão prestes a completar as regras para se aposentar por tempo de contribuição e pessoas que já recolheram entre 10 e 20 anos para o INSS devem ficar de fora da validação.

Segundo a assessoria do secretário de Previdência, Marcelo Caetano, entre as iniciativas em análise está a divisão da reforma, conforme a situação do segurado no mercado de trabalho.

No entanto, para quem vai começar a trabalhar ou entraram no mercado há pouco tempo,

as mudanças podem ser mais duras, informa o jornal O Dia. Entram no grupo que tem direito adquirido homens com 35 anos de contribuição com a Previdência e mulheres com 30 anos de pagamentos, mas que ainda aguardam para se aposentar com um benefício maior pela Fórmula 85/95.

De acordo com informações da pasta, a parte difícil da reforma é a modulação dessas regras,

principalmente considerando

o prazo de retorno para a Previdência. Caso as

mudanças valessem apenas para as novas gerações, o impacto sobre as contas públicas seria sentido só a partir de 2040. Se

vigorar para todos, sem regras de transição, em menos de uma década haveria redução de gastos.

A pasta ainda informa que, entre as regras de transição que estão em estudo,

está o

pedágio, usado na reforma de 1999, quando se calculava quanto tempo o segurado precisava para se aposentar e acrescentava-se período adicional de contribuição.

Em análise também está a

possibilidade

da fixação de regra que levando em conta o tempo de contribuição, a idade ou a data em que o trabalhador começou a contribuir para o regime da Previdência. Ou combinar três possibilidades. Em declarações anteriores, Caetano

já havia dito que o período de transição pode variar de cinco a dez anos no caso de mulheres e homens. O secretário informou que o governo discute uma forma de adiar o pedido da aposentadoria.

“Há pessoas que se aposentam na faixa dos 50 anos. Com isso, o tempo de recebimento do benefício pode ficar bastante longo e teremos dificuldades de sustentar o pagamento. Conseguir prorrogar a data da aposentadoria é algo que realmente se discute”, explicou.

Segundo afirmação do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha,

durante reunião com representantes de centrais sindicais ocorrida em maio,

o governo interino admitia estabelecer mecanismos de transição para alterar a forma de contribuição de quem está no mercado. As alterações deveriam obedecer

de forma inversamente proporcional ao tempo que o trabalhador tem para se aposentar, disse o ministro.

Feita na semana passada, levantamento

do

Datafolha

indica

que a opinião pública do país está quase dividida ao meio entre os

que apoiam a criação de uma idade mínima para aposentadoria no setor privado e aqueles que rejeitam a proposta de reforma da Previdência que a gestão interina

de Michel Temer

quer implementar.

Segundo a pesquisa, 53% dos entrevistados são favoráveis à definição de uma idade mínima, enquanto 43% se posicionam contra a medida. O apoio à proposta é mais forte entre os mais ricos do que entre os mais pobres.

Em média, os brasileiros consideram 60 anos como a idade ideal para se aposentar.

Campo obrigatório