Meteorologia

  • 20 JULHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Debate sobre riscos à democracia na encerra Fórum Econômico em SP

Evento foi encerrado na tarde desta quinta-feira (15), na capital paulista

Debate sobre riscos à democracia na encerra Fórum Econômico em SP
Notícias ao Minuto Brasil

17:49 - 15/03/18 por Folhapress

Economia São Paulo

Em um ano em que será palco de pesado calendário eleitoral, a América Latina deve se preocupar com diversos perigos que rondam a democracia, como o populismo, a exclusão social, a falta de confiança nas instituições e a rápida disseminação de notícias falsas.

Esse tema dominou o debate que encerrou nesta quinta-feira (15) o Fórum Econômico Mundial para a América Latina, em São Paulo.

"Há uma percepção de que as coisas pioraram e esse contexto faz com que as pessoas estejam dispostas a votar pelo desconhecido, inclusive em alguns candidatos com estratégias assustadoras", disse Alejandro Ramírez, CEO da Cinépolis, operadora de cinemas mexicana.

Segundo o empresário, apesar dos avanços que a região teve na última década, com a melhora de indicadores como expectativa de vida, mortalidade infantil e redução da pobreza, pesquisas mostram que a expectativa dos latino-americanos em relação ao futuro é muito baixa.

Para ele, isso está relacionado à percepção de insegurança e de que as políticas voltadas ao combate à violência e ao tráfico de drogas têm falhado.

"A crença na política e na democracia é muito baixa e isso deve nos preocupar", afirmou também Andrés Velasco, professor da Universidade Columbia e ex-ministro de Finanças do Chile.

O economista destacou, durante a abertura do painel, que políticos e empresários estão entre as categorias profissionais menos admiradas pela população da região, o que contribui para minar a confiança nas instituições democráticas.

A proposta da mesa de encerramento do Fórum era debater como as novas lideranças podem contribuir para a construção de um cenário positivo na região.

Segundo Luiza Trajano, a presidente do conselho de administração da Magazine Luiza, os empresários não podem ignorar questões como a exclusão social.

"Não podemos aceitar que 60% da população brasileira ganhe menos de R$ 2.000 e que as faxineiras que estão trabalhando aqui hoje demorem duas horas para chegar em casa".

A descrença em relação à política explica, segundo Ngaire Woods, reitora da escola de política da Universidade de Oxford, porque em vários pleitos recentes -como as eleições presidenciais da França e do Chile e a saída do Reino Unido da União Europeia- a população votou contra o status quo.

"São tempos muito difíceis que acendem um enorme sinal de alarme", afirmou a acadêmica.

Nesse contexto, Woods disse ter sentido desânimo ao escutar líderes brasileiros, durante os dois dias do Fórum, focarem seus discursos sobre o que precisa ser feito quase exclusivamente na necessidade de equilibrar o orçamento e combater a inflação.

Para ela, as lideranças precisam fazer um melhor trabalho de escutar pessoalmente seus eleitores. Esse ponto também foi destacado por Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco.

"Essa é uma grande carência entre nossas lideranças políticas hoje. As boas lideranças que podemos formar são aquelas que sejam capazes de ouvir seus eleitores", disse Bracher, que lamentou o assassinato da vereadora Marielle Franco, nesta quarta-feira no Rio de Janeiro.

+ Medida popular é aquela que gera crescimento e emprego, diz Meirelles

A colunista da Folha de S.Paulo, Maria Cristina Frias, afirmou concordar com a importância de prestar mais atenção nas carências da população, mas ressaltou que é preciso tomar cuidado com promessas insustentáveis.

"É preciso inspirar, dar alento, mas com cuidado".

Maria Cristina lembrou de programas de financiamento adotados nos últimos anos no Brasil -como o Fies (voltado ao ensino superior) e o Minha Casa, Minha Vida (destinado à moradia popular)- que não eram viáveis e "ajudaram a estraçalhar nosso orçamento".

A jornalista também alertou para a ameaça que as chamadas "fake news" (notícias falsas) representam para a democracia. O tema também foi discutido em diversos painéis do primeiro dia do evento.

Os palestrantes destacaram que, entre as ações que os empresários podem tomar, estão medidas para contribuir para a maior inclusão, o aumento da diversidade e a formação de novas lideranças preocupadas com a questão social.

"Liderança é sobre o que você deixa para o próximo líder e não sobre sua própria sobrevivência", disse Paul Bulcke, presidente do conselho de administração da Nestlé. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório