Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Bons empregos dependem da criação de vagas ruins, diz economista

A opinião é do assessor econômico do candidato Henrique Meirelles (MDB)

Bons empregos dependem da criação de vagas ruins, diz economista
Notícias ao Minuto Brasil

13:20 - 11/09/18 por Folhapress

Economia recuperação

As travas para a criação de vagas de trabalho informais ou em tempo parcial acabam gerando menos empregos bons no futuro, afirmou nesta terça-feira (11) Jose Márcio Camargo, assessor econômico do candidato Henrique Meirelles (MDB).

Para ele, num ambiente de recuperação econômica, é natural que as vagas geradas primeiramente sejam de qualidade inferior.

"A geração de bons empregos depende da criação de vagas ruins", disse. "O que é melhor do ponto de vista do bem-estar, não ter emprego nenhum ou trabalhar quatro horas por dia?", afirmou Camargo em evento "Os Economistas das Eleições", organizado pelo Estado de S. Paulo e pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Ao falar sobre a questão fiscal, Camargo defendeu a permanência do teto e a eficiência do gasto público e disse que, caso Meirelles seja eleito, fará o possível para não aumentar a carga tributária.

Embora a desoneração da folha de pagamentos seja constantemente criticada por economistas de diferentes perfis, Camargo disse que ela foi dada no momento errado -de pleno emprego-, mas se justifica para alguns setores.

"Não estou falando que vamos manter a desoneração, mas há setores em que ela vale a pena ser mantida", disse sem especificar quais.

Camargo criticou a proposta de renegociação de dívidas de pessoas físicas (algo defendido pelo próprio Meirelles), e o crédito direcionado, como o funding da poupança ou do FGTS para habitação.

"Defendo uma mudança do que tem hoje, mas não sei exatamente para onde", disse.

Ao falar de privatização, listou a Eletrobrás, as áreas de refino, os gasodutos e oleodutos da Petrobras e os bancos públicos. Para ele, o setor bancário no Brasil é super concentrado e isso precisa ser contornado.

"Dividir o Banco do Brasil em dois ou três e vender para bancos diferentes para gerar um sistema mais competitivo? Pode ser, não sei." Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório