Meteorologia

  • 22 JULHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Mercado faz projeção romântica de Bolsonaro, diz presidente de banco

Opinião é de Gabriel Galípolo, do Fator, que vê com cautela a euforia em relação ao candidato

Mercado faz projeção romântica de Bolsonaro, diz presidente de banco
Notícias ao Minuto Brasil

16:49 - 25/10/18 por Folhapress com JOANA CUNHA

Economia Entrevista

A comunicação direta que Jair Bolsonaro (PSL), líder nas pesquisas da corrida presidencial, estabeleceu com eleitores nas redes sociais durante a campanha pode gerar volatilidade nos mercados em seu provável futuro governo.

A opinião é de Gabriel Galípolo, presidente do banco Fator. Ele afirma que o mercado ainda não está preparado para a mudança da antiga realidade em que "os comunicados feitos por governantes ao mercado e à sociedade eram mais formais, para um modelo que é feito do estômago, por uma pessoa que tem acesso direto à população".

+ Pequenos negócios respondem por 82% das novas vagas nos últimos 9 meses

O executivo vê com cautela a euforia do mercado em relação ao candidato.

"A aterrissagem entre essa expectativa que foi criada pelo mercado e aquilo que me parece possível talvez não seja muito suave", diz.

Quando o deputado Eduardo Bolsonaro, filho de Bolsonaro, cogita em vídeo a hipótese de fechar o Supremo Tribunal Federal, como o mercado avalia? Há receio de que tal medida possa gerar crise institucional com reflexo na economia?

O que percebemos hoje, pelo que o mercado está demonstrando, é que ele está dando mais atenção àquilo que entende como positivo, que é uma perspectiva de acenos de privatizações e uma economia mais liberal. O mercado hoje está mais voltado para essa expectativa do que para declarações que podem estar tendo repercussão negativa do ponto de vista político.

Isso está ligado à rejeição pela alternativa, o petista Fernando Haddad?

O mercado já discute menos quem vai ganhar a eleição. Já superou esse debate. Agora é muito mais o alinhamento e a precificação adequada entre as expectativas que ele gerou e o que vai ser efetivamente um governo nos próximos quatro anos.

Quais seriam as piores frustrações para o mercado? A hipótese de Paulo Guedes romper com Bolsonaro, uma reforma da Previdência que não agrade, privatizações insuficientes?

A formação de expectativas é complicada. Há pouco tempo, nós discutíamos que o deficit fiscal era insustentável e que se o Brasil continuasse sustentando aqueles deficits o país iria quebrar. Se analisarmos o que aconteceu, esse deficit primário não foi reduzido e, ainda assim, houve momentos de CDS muito mais baixo, um risco de crédito no Brasil muito mais baixo, ainda assim, teve câmbio apreciando, juros e inflação baixando. Mesmo sem a resolução do problema fiscal, houve uma série de números positivos. Ainda é difícil vislumbrar qual será a tolerância do mercado em relação ao novo governo.

Como o país chegou a esse cenário eleitoral?

Nós que estamos aqui no mercado financeiro gostamos de achar que o mais relevante foi a agenda liberal. Mas tem uma agenda de costumes e valores morais que, na minha cabeça, ocuparam protagonismo maior do que a discussão econômica nessa eleição.

No vídeo em que o filho de Bolsonaro reflete sobre o fechamento do STF, ele cita a importância da popularidade. Se o futuro presidente endurecer as leis trabalhistas, pode perder apoio popular. O que mudaria no cenário?

Esse é o risco que o mercado corre. O mercado às vezes é um ser ensimesmado. Pode ser que para o nosso círculo aqui uma promessa de eventual austeridade fiscal e reforma da Previdência seja o que gera uma popularidade dentro do mercado. Mas será que para ele vencer a eleição isso foi o tema principal? Ou será que existe uma agenda que passa mais pelas questões morais e que pode manter a popularidade dele? O melhor exemplo são os Estados Unidos. Acho que não demos a verdadeira dimensão da mudança provocada pelas redes sociais tanto na economia quanto na política.

O sr. vê analogia no papel das redes sociais na economia e na política?

Do ponto de vista econômico, os principais empreendimentos hoje não são produtores. São grandes pontes de mercado, como Amazon, Google, são portais de comércio. Assim como na economia se formaram esses grandes portais em vários setores, isso chegou na política.

O maior exemplo foi o esforço [do PSDB] para conseguir fazer uma grande coalizão de centro e ter tempo de televisão, o que depois se revelou pouco eficaz no resultado político porque o verdadeiro canal não era mais a TV. Brigar para ter tempo de TV é como brigar para ter um ponto de venda numa loja em uma rua que era muito movimentada há 30 anos. E não é uma questão só da campanha. Isso também pode influenciar a forma de fazer política.

No governo americano hoje, a gestão do presidente é feita com muito menos mediação. Quando se poderia imaginar que um presidente americano iria anunciar uma tarifação sobre um produto por meio de redes sociais? Isso é algo que gera muita volatilidade. Estamos aprendendo a equalizar aquela realidade que existia antes, em que os comunicados feitos por governantes ao mercado e à sociedade eram mais formais, para um modelo que é feito do estômago, por uma pessoa que tem acesso direto à população.

O mercado vai ter que se preparar para isso porque vai ser uma gestão em que a relevância da comunicação direta pelo presidente com as redes sociais não vai ser desprezível. É difícil prever hoje como o mercado vai enxergar essas comunicações que podem gerar volatilidade.

E dá para levar isso até quando?

Acho muito difícil que se consiga manter o teto de gastos no ano que vem por uma questão absolutamente aritmética. O mercado será condescendente com isso ou vai cobrar um pedágio? Também vai ter que enfrentar rapidamente a questão da Previdência. Se ele tiver dificuldade para isso no Legislativo, como é que o mercado vai responder? Acho que essas discussões vão aparecer rápido. Será uma lua de mel ou só uma noite de núpcias? É esse tempo que a gente precisa ver. O Brasil tem uma situação diferente dos demais emergentes: não tem mais dívida externa, volume de reservas enorme, capacidade ociosa grande.

Mas o ponto principal é quanto o mercado vai ser tolerante para a questão fiscal ou exigir imediatamente após a posse que ele tome medidas. A aterrissagem entre essa expectativa que foi criada pelo mercado e aquilo que me parece possível talvez não seja muito suave.

Como o sr. avalia o programa econômico de Bolsonaro?

Não sei se é possível detalhar um programa de governo com clareza. O candidato disse que o mercado se surpreenderia com o programa de privatização. É difícil dar opinião concreta sobre o que está sendo colocado na mesa. Acho que ele, talvez de maneira inteligente, tenha percebido que do ponto de vista de votos a agenda é outra. São poucas as eleições em que a economia ocupou tão pouco protagonismo. Ficou uma agenda em torno de temas morais e segurança.

Para além do mercado, e a população que está indo às ruas apoiar o candidato? Ela vai sentir a importância da agenda econômica quando o governo começar?

Para essas pessoas que estão acompanhando menos o mercado, a narrativa que ficou predominante, e não estou fazendo nenhum juízo de valor sobre ela, foi a de que existe um problema chamado corrupção. Foi a corrupção que provocou os deficits e levou à situação econômica atual. Isso, associado a uma sensação de insegurança que as pessoas têm na rua, fez com que o tema principal se transformasse em ordem. Esse é um dilema antigo da ciência política que remete a [Thomas] Hobbes e o Leviatã, sobre segurança e liberdade. A sociedade brasileira está no momento em que diz que quer mais segurança e está disposta a abrir mão um pouco de liberdade, desde que alguém ponha ordem. Acho que aí pode ter dificuldade de alinhamento de expectativas porque para a população em geral pode ter passado a impressão de que, se eu simplesmente combater a corrupção, a economia brasileira vai voltar a funcionar.

Haverá frustração?

Do lado de cá, temos consciência de que os problemas são mais complexos. E aí eu acho que existe espaço para uma frustração significativa. Pelos poucos debates que tivermos e pela predominância dos temas mais morais na eleição ficou menos claro o pacto em torno da agenda econômica. Aí está o risco que talvez o mercado corra, que é uma projeção romântica. Quando você está apaixonado por uma pessoa com quem você convive pouco, vai projetando nela o que você gostaria que ela fosse. Pode ser que o mercado esteja fazendo isso. Ou pode ser que ele seja melhor do que o que o mercado está imaginando.

Nem todo o mundo no mercado financeiro teve uma passagem pelo setor público ou uma visão do que é máquina pública, das complexidades e idiossincrasias que ela envolve. Sem personificar na figura do candidato em si, mas quem tem um pouco mais de vivência em setor público tem mais noção do que é possível. Quem só conhece o mercado financeiro pode ter a sensação de que o governo se parece com uma empresa privada, em que basta mandar e as coisas acontecem, desde que você tenha uma certa energia e pulso. Aqui, do ponto de vista do banco Fator, especificamente, nós trabalhamos neste alinhamento entre expectativa e o que acreditamos ser possível.

Na sua fala tem um ceticismo acima da média do mercado?

Eu gosto da metáfora do trapezista do circo. Você pode ir ao circo e achar que o trapezista voa. Mas, se ele próprio achar que ele voa, pode ser perigoso. O que eu estou ponderando é o quanto o mercado está começando a acreditar que o trapezista voa. A princípio, parecia que se tratava de uma retórica que patrocinava um candidato que o mercado entendia como mais palatável que um outro candidato. Hoje, já não me parece mais isso. Me parece que existe um convencimento [por parte do mercado] de quem realmente comprou aquela narrativa de que os problemas acabarão simplesmente combatendo a corrupção.

Eu acho que há temas bem mais complexos para conseguir fazer o Estado brasileiro funcionar. Estamos analisando com cautela não o candidato, mas a euforia do mercado em relação ao candidato. Há dois ou três anos, o mercado colocou a questão do déficit primário no centro do debate, mas depois veio demonstrando tolerância.

Eu não sou daqueles que acham que o governo não resolveu a questão primária porque tinha uma equipe econômica que não estava engajada em tentar atuar no corte de custos ou na austeridade. Quem tem um pouco de visão do setor público sabe que a questão é mais complexa. É uma costura mais complicada do que chegar em uma empresa privada e decidir demitir alguém ou fechar tal área. É nesse sentido que eu acho que existe uma expectativa eufórica.

Indo agora para a eleição no governo do estado, no intervalo entre o primeiro e o segundo turno aconteceu o leilão da Cesp. Que sinal isso deixa?

Antes disso, tem outro ponto importante relacionado ao governo federal. É relevante ter um conhecimento de como funciona a máquina pública. Conseguimos fazer a privatização de um ativo complexo, que está há mais de 20 anos em um processo de privatização. O Fator talvez seja o banco que mais fez privatização em volume e sabe da complexidade desses processos. Houve uma sentença que quase impediu a privatização horas antes, como é tradicional.

Também sabemos que há otimismo do mercado em relação à inclinação [do eventual governo Bolsonaro] a fazer privatizações, mas somos muito prudentes em entender o que é possível com a estrutura e o arcabouço institucional que existe no país. Não se compara a fusões e aquisições tradicionais. Nesse tema de privatizações nós falamos com propriedade devido à experiência que o Fator tem de atuação nessa área e por ter conseguido fazer a privatização de um ativo como a Cesp, que muitos consideravam improvável, entre o primeiro e o segundo turno.

O Fator trabalhou nessa privatização. Com base nessa experiência, o sr. diria que o sucesso desse caso Cesp contradiz as afirmações do candidato ao governo João Doria, que acusa o adversário Marcio França de comunista?

Eu não posso fazer nenhum tipo de juízo de valor sobre esse tema, mas talvez o que eu possa dizer é que ao longo de todo esse processo que acompanhamos sobre as duas gestões, de Geraldo Alckmin e a Márcio França, temos que sublinhar que em nenhum momento o governo do estado tergiversou sobre a privatização da Cesp.

Houve tremendo empenho, e a equipe técnica do estado tem muita experiência, tanto a Procuradoria como a Secretaria da Fazenda, todas as áreas que estavam envolvidas e a própria Cesp. Em nenhum momento se disse que o estado estaria repensando privatizar. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório