Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2021
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Rebeca busca 1ª medalha em Mundiais e mais um feito histórico para o Brasil

Rebeca Andrade pode fazer história novamente no Japão

Rebeca busca 1ª medalha em Mundiais e mais um feito histórico para o Brasil
Notícias ao Minuto Brasil

06:31 - 22/10/21 por Estadao Conteudo

Esporte Ginasta

Quase três meses após brilhar na Olimpíada, Rebeca Andrade pode fazer história novamente no Japão. Além de buscar sua primeira medalha em Mundiais, em Kitakyushu, a ginasta pode se tornar a primeira atleta brasileira a subir ao pódio duas vezes numa mesma edição do evento, que só perde em importância para os Jogos Olímpicos.

O feito poderá ser obtido na madrugada deste sábado, a começar pela final do salto, às 4h45, pelo horário de Brasília. Ela avançara à decisão de sua principal prova na primeira colocação, com média de 14,800. Rebeca competirá com a confiança de quem foi campeã olímpica no salto na capital japonesa. "Na final, preciso estar tão concentrada como estive hoje", disse a ginasta, na terça, após superar a fase classificatória.

Menos de duas horas depois de saltar na final, Rebeca também brigará por vaga no pódio nas barras assimétricas, a partir das 6h25. Mesmo sem ser favorita, ela obteve a melhor média na classificação, com 15,100. Se confirmar o bom momento na prova e também subir ao pódio nesta prova, fará história mais uma vez na ginástica brasileira, tornando-se a primeira a obter duas medalhas num mesmo Mundial. "Se vier, vai ser incrível. Vou ficar muito feliz de colocar o meu nome na história mais uma vez", projetou a atleta de 22 anos.

Rebeca já havia brilhado na competição ao se tornar a primeira brasileira classificada para três finais. A terceira será na trave, na manhã de domingo. Com a média de 13,400, ela ficou com a oitava e última vaga para esta decisão de medalha.

As finais são importantes para Rebeca pelo significado especial que um Mundial tem em sua trajetória. Consagrada na Olimpíada, ela ainda busca a primeira medalha nesta competição. Esta lacuna em seu currículo tem ligação direta com os seguidos problemas físicos que enfrentou nos últimos anos.

As três cirurgias no joelho direito, num intervalo de quatro anos, tiraram de Rebeca a chance de brilhar em três edições do Mundial. Em 2015, em Glasgow, faria sua estreia como ginasta da categoria adulta. Mas a lesão, faltando poucos meses para o evento, acabou com seus planos. Na época, já era cotada para o pódio.

A história se repetiu em Montreal, dois anos depois, e em Stuttgart, em 2019. No Mundial no Canadá, ela se machucou durante o aquecimento para o treino de pódio, já no local da competição. Há dois anos, nova lesão, no Campeonato Brasileiro, impediu sua participação no evento. E ainda colocou em risco sua participação em Tóquio. O "descanso" propiciado pela pandemia de covid-19 acabou acelerando sua recuperação.

Na Olimpíada, ela brilhou com duas medalhas, outro feito histórico. Rebeca foi a primeira atleta brasileira a conquistar dois pódios numa única edição dos Jogos. Além do ouro no salto, levou a prata no individual geral, quando encantou o mundo com seu "Baile de Favela" na prova do solo.

Em Kitakyushu, a ginasta optou pela cautela, em razão do desgaste físico dos últimos anos, e decidiu não competir tanto no solo quanto no individual geral. A meta é retomar estas duas provas em 2022, visando os Jogos de Paris-2024.

REPRESENTANTE NO MASCULINO - O Brasil também terá um ginasta nas finais. Caio Souza vai disputar a decisão do individual geral na manhã desta sexta-feira, a partir das 6 horas, e das barras paralelas, no domingo, no mesmo horário.

Transmissões ao vivo dos jogos dos principais times do Brasileirão!

Veja resultados, notícias, entrevistas, fotos, vídeos e os bastidores do mundo do esporte

Obrigado por ter ativado as notificações do Esporte ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Brasil Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório