Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2017
Tempo
12º
MIN 12º MÁX 12º

Edição

PSDB reage contra associação de Alckmin ao PSB

Dirigentes do partido atual do governador afirmam possível mudança de partido de Alckmin seria traumática

PSDB reage contra associação
de Alckmin ao PSB
Notícias ao Minuto Brasil

07:34 - 12/01/17 por Notícias Ao Minuto

Política movimentações

A relação que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, tem com o seu vice, Márcio França, e o seu partido, o PSB, está incomodando membros do diretório estadual do PSDB. Há quem alegue que o tucano tem a intenção de mudar de sigla para as eleições de 2018.

Segundo aponta a Folha de S. Paulo, dirigentes do partido atual do governador afirmam que esta possível mudança seria traumática. Se deixar a sigla, Alckmin poderá levar essências do partido com ele.

Membros do PSDB consideram um erro a saída do governador sem antes tentar dialogar com os tucanos.

Uma preocupação da sigla seria o governo do estado de São Paulo, liderado pelo PSDB há 20 anos. A matéria menciona que a candidatura do vice Márcio França para o governo do estado é o esperado para 2018.

Na última segunda-feira (9), uma discussão envolvendo o tema veio à tona entre os tucanos paulistas. Eles não admitem a possibilidade de perderem espaço no estado. Para isso, decidiram sabotar a candidatura do prefeito de Santos, Paulo Barbosa (PSDB) à presidência da sigla em São Paulo, pois Barbosa também é muito ligado a França.

No fim, os tucanos decidiram prorrogar o mandato do atual presidente estadual da sigla, Pedro Tobias.

"Sempre apoiei Geraldo Alckmin, mesmo quando ele estava sozinho, em 2008 [quando se candidatou a prefeito de SP], eu estava lá. E continuarei assim", afirmou Tobias. "Onde ele decidir ser candidato,contará com o meu apoio e com o do PSDB de São Paulo, mas nós não abrimos mão de ter um nome na disputa pelo governo do Estado em 2018", concluiu.

Esta manobra fez cair por terra o discurso dos tucanos paulista quando o senador Aécio Neves fez um esquema semelhante para se manter na presidência nacional do PSDB. Na época, opositores disseram que ele tinha dado um golpe e prometeram que São Paulo daria o exemplo do que é democracia.

Leia também: Jornal britânico aponta Bolsonaro como incentivador do neonazismo

Campo obrigatório