Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Bolsonaro informa ao TSE uso de avião pelo vice

Bolsonaro nega ilegalidades e diz que fez "a campanha mais pobre da história do Brasil"

Bolsonaro informa ao TSE uso de avião pelo vice
Notícias ao Minuto Brasil

19:38 - 21/11/18 por Folhapress

Política Gastos de campanha

Os advogados do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), entregaram ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nesta quarta-feira (21) retificação informando o uso pelo vice na chapa, o general Hamilton Mourão (PRTB), de uma aeronave particular para eventos de campanha.

A Folha de S.Paulo revelou na terça que Mourão pegou carona em avião de um usineiro do Paraná, Serafim Meneghel, mas não informou o uso ao TSE, o que contraria a legislação.

Nesta quarta, a advogada Karina de Paula Kufa encaminhou ao tribunal contrato de cessão do bem, pelo empresário, para uso do general entre os dias 11 e 14 de setembro. O contrato, porém, é datado de 6 de outubro, ou seja, mais de 20 dias depois do uso.

O documento diz que a cessão é para uso da aeronave nos trechos Brasília-Cascavel, Cascavel-Londrina, Londrina-Ponta Grossa e Curitiba-Rio de Janeiro, ao custo estimado de R$ 12,5 mil.

Com o documento entregue, o valor de R$ 12,5 mil entra na prestação como doação de Meneghel à campanha de Bolsonaro.

+ PT estuda processar Whatsapp nos Estados Unidos

Mourão foi ao Paraná participar de eventos de campanha, entre eles uma carreata em Cascavel, um encontro com produtores rurais em Londrina e uma palestra em Curitiba.

Por ser o cabeça da chapa, Bolsonaro é responsável solidário pelas informações das contas apresentadas ao TSE.

A Folha publicou reportagens, ainda durante as eleições, mostrando que a campanha de Bolsonaro omitiu diversos detalhes de seus gastos na prestação de contas. A área técnica do TSE também apontou indícios de irregularidades.

Bolsonaro nega ilegalidades e diz que fez "a campanha mais pobre da história do Brasil".

O tribunal está analisando as contas do presidente eleito. Eventual rejeição pelo TSE não interfere na diplomação e posse de Bolsonaro, mas, em caso da verificação de problemas graves, isso pode servir de base para abertura de ação de investigação judicial eleitoral. Com informações da Folhapress. 

Campo obrigatório