Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Ataques hackers serão cada vez mais comuns, diz especialista

Para Wolmer Godoi, pessoas não se preocupam com cibersegurança

Ataques hackers serão cada vez mais 
comuns, diz especialista
Notícias ao Minuto Brasil

22:36 - 16/05/17 por LUCAS RIZZI

Tech Alerta

O ataque cibernético global deflagrado na última sexta-feira (12), chamado pela Europol, a polícia da União Europeia, de uma ação "sem precedentes", pode se tornar algo cada vez mais comum.

+ Instagram: veja a hora do dia e as fotos que garantem mais 'likes'

O ransomware (malware que exige resgate) "Wanna Cry", ou, em tradução livre, "Quero chorar", atingiu cerca de 300 mil computadores em mais de 150 países e bloqueou atividades de empresas e instituições do mundo todo.

O vírus se aproveitou de uma vulnerabilidade do Windows para "sequestrar" informações e exigir um resgate de US$ 300 em bitcoins, afetando apenas equipamentos que estavam com o sistema operacional desatualizado.

"A gente acha que cada vez mais, se a toada continuar como é hoje, com as pessoas se preocupando pouco com segurança, a tendência é esse tipo de ataque aumentar", diz, em entrevista à ANSA, o especialista Wolmer Godoi, diretor da empresa de cibersegurança Cipher.

Segundo ele, o problema pode se tornar ainda maior no Brasil, um país que age "pouco na prevenção e muito na correção". "A gente conta com a sorte. Quem contou com a sorte entrou pelo cano", acrescenta. A Microsoft já havia disponibilizado a correção para a falha em seu sistema em março, mas a falta de preocupação de centenas de milhares de usuários com a atualização do Windows permitiu um ataque em larga escala.

Com isso, os hackers já conseguiram arrecadar cerca de US$ 70 mil em bitcoins desde a última sexta-feira, valor que vem crescendo rapidamente ao longo dos últimos dias. "Até agora, dos relatos que eu tenho, 100% das pessoas que pagaram não tiveram os dados de volta", ressalta Godoi, que sempre orienta seus clientes a não pagarem o resgate.

De acordo com o especialista, a maioria das empresas costuma deixar a segurança em "segundo, terceiro, quarto ou quinto plano", mas esse tipo de evento pode fomentar um cuidado maior com as atualizações de sistemas. "A correção é sempre mais cara que a prevenção. Quem foi atacado está pagando um preço muito mais alto", afirma.

Até agora há muitas especulações e poucas certezas sobre a autoria do ataque cibernético: as suspeitas já recaíram sobre hackers patrocinados por Rússia, Coreia do Norte ou até mesmo independentes. "Pode ter sido um grupo de hackers, pode ter sido uma pessoa específica. Mas a forma do ataque foi muito inteligente, acredito que seja mais do que um geniozinho do mal", completa Godoi. (ANSA)

Campo obrigatório