Meteorologia

  • 05 JUNHO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

Coronavírus deve impactar exportações em pelo menos R$ 18,6 bi, diz CNI

A queda, segundo a entediada, pode ser de até R$ 18,6 bilhões caso seja confirmada a retração de 1,1% no PIB (Produto Interno Bruto) mundial

Coronavírus deve impactar exportações em pelo menos R$ 18,6 bi, diz CNI
Notícias ao Minuto Brasil

14:00 - 02/04/20 por Folhapress

Economia Mercado

SÃO PAULO, SP, E RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O impacto econômico do novo coronavírus pode atingir as exportações brasileiras fortemente, segundo relatório da CNI (Confederação Nacional da Indústria).

A queda, segundo a entediada, pode ser de até R$ 18,6 bilhões caso seja confirmada a retração de 1,1% no PIB (Produto Interno Bruto) mundial.A avaliação foi feita com base em estudos que mostram que a diminuição de renda no mundo levaria à redução de produtos nacionais, diz Carlos Abijaodi, diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI.

Veja também: BC anuncia que pode liberar até R$ 650 bilhões na economia

A entidade também estima que uma recessão global levaria a uma redução de 56 mi de toneladas em cargas brasileiras indo para o exterior.Em comparação ao ano passado, a CNI projeta que as exportações brasileiras podem ter queda de 11% na quantidade de toneladas a depender das medidas contra a Covid-19 adotadas por outros países latino-americanos, grande destino dos manufaturados nacionais.

Segundo Carlos Abijaodi, o câmbio desvalorizado é um elemento temporário de melhora da competitividade. Para o diretor, pode ser um meio de as exportadoras contornarem o momento, principalmente pequenas empresas de bebidas e alimentos, além daquelas de calçados e vestuário, setores com cadeias de produção mais longas.

As medidas para retardar o avanço do novo coronavírus tem impactado a logística de mercadorias. Um Estudo da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC), que reúne transportadoras rodoviárias, aponta que a demanda por transporte de cargas caiu 26,14% nos dias 23 e 24 de março, em comparação com a operação normal.Segmentos de cabotagem e ferroviário também têm percebido queda na demanda, segundo executivos, mas ainda não há números para dimensionar o cenário.

O setor ressalta que ainda não há problemas de abastecimento.A maior queda se deu no transporte de produtos industriais: as embalagens caíram 55,3%, os eletrônicos, 46,5% e automóveis, 37,6%. Com relação a cargas fracionadas, houve redução de 40,7% nas entregas em lojas e 29,% nas entregas em residências.

Campo obrigatório