Meteorologia

  • 16 DEZEMBRO 2017
Tempo
10º
MIN 10º MÁX 10º

Edição

Brasil pode ser rebaixado se não sair a reforma da Previdência

A Moody's foi a última a rebaixar a nota de crédito do país, em fevereiro do ano passado

Brasil pode ser rebaixado se não sair a reforma da Previdência
Notícias ao Minuto Brasil

13:28 - 13/10/17 por Folhapress

Economia RISCO

Se o governo fracassar em aprovar a reforma da Previdência ou se indicar que tenta ganhar tempo para negociar as mudanças, a nota de crédito do Brasil pode sofrer novo rebaixamento, afirmou Joydeep Mukherji, analista da agência de classificação de risco S&P Global Ratings, nesta quinta-feira (12).

+ 'Sem corrupção, renda per capita do país sobe US$ 3 mil', diz pesquisa

As declarações foram feitas durante apresentação pela internet sobre as perspectivas para os países emergentes neste ano e no próximo.

Na S&P, o Brasil tem nota de crédito BB, com perspectiva negativa, o que significa que o país tem uma chance em três de sofrer novo rebaixamento.

Segundo Mukherji, a agência espera alguma sinalização de que o Planalto vai tentar aprovar a reforma antes do início das campanhas para as eleições de 2018, de forma que o próximo governo consiga se dedicar a passar outras mudanças fiscais.

"O que nós procuramos agora não é uma estabilização milagrosa do endividamento, porque ele vai continuar crescendo nos próximos três ou quatro anos facilmente, sob qualquer cenário", afirmou. "O que estamos olhando é se o governo pode dar alguns passos agora, antes das eleições de 2018, para dar mais espaço para o próximo governo lidar com essa questão."

"Estamos tentando ver se o governo [do presidente Michel] Temer, após todas as acusações contra ele, ainda tem capacidade de fazer avançar a reforma da Previdência, assim como outras que são importantes, mas não tão emblemáticas hoje", complementou.

O próximo governo já vai herdar um grande problema fiscal, ressaltou o analista, independentemente do que a atual Administração fizer. Então o que a S&P busca é um "passo significativo" do Planalto para dar fôlego ao próximo governo. "Se isso não acontecer ou se parecer que não vai acontecer, o rating pode ser rebaixado. Nós esperamos resolver isso antes das campanhas eleitorais começarem no próximo ano", ressaltou.

Em agosto, a agência retirou a observação negativa sobre a nota brasileira, colocada em maio após a crise provocada pelo vazamento da delação do empresário Joesley Batista, da JBS, que mergulhou o governo em caos político.

HISTÓRICO

O Brasil é considerado mau pagador pelas três principais agências de classificação de risco em atuação. Quanto melhor a classificação de um país, menor tende a ser o desembolso com os juros dos financiamentos, e vice-versa. Um país que tem grau especulativo é visto como tendo uma capacidade inadequada de honrar seus compromissos financeiros.

Para investidores estrangeiros, a avaliação das agências serve como termômetro para saber se a remuneração de um papel está adequada ao risco do investimento.

A S&P foi a primeira agência a retirar o selo de bom pagador do país, em setembro de 2015. Três meses depois, foi a vez de a agência Fitch também retirar o grau de investimento do Brasil.

A Moody's foi a última a rebaixar a nota de crédito do país, em fevereiro do ano passado.

A S&P foi a primeira agência de classificação de risco a elevar o Brasil ao chamado grau de investimento, em abril de 2008, no segundo mandato do presidente Lula. Depois, Fitch (maio de 2008) e Moody´s (setembro de 2009) também deram a mesma chancela ao Brasil. Com informações da Folhapress. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório