Meteorologia

  • 26 JUNHO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Bolsa cai abaixo dos 70 mil pontos pela 1º vez desde agosto de 2017

O tombo reflete a manutenção do pessimismo dos investidores com a economia brasileira e com a indefinição do cenário eleitoral

Bolsa cai abaixo dos 70 mil pontos pela 1º vez desde agosto de 2017
Notícias ao Minuto Brasil

20:24 - 18/06/18 por Folhapress

Economia MERCADO FINANCEIRO

A Bolsa brasileira teve o quarto pregão consecutivo de queda e perdeu os 70 mil pontos nesta segunda-feira (18). O tombo reflete a manutenção do pessimismo dos investidores com a economia brasileira e com a indefinição do cenário eleitoral.

Nesta segunda houve ainda um componente externo: as principais Bolsas mundiais fecharam em queda pelo receio dos impactos da guerra comercial entre Estados Unidos e China, que ganhou forma na sexta-feira passada, após o anúncio de tarifas de 25% sobre US$ 50 bilhões em produtos importados de cada um dos países.

O Ibovespa, principal índice acionário da B3, cedeu 1,33% e fechou a 69.814 pontos, o menor patamar de fechamento desde agosto do ano passado. O giro financeiro somou R$ 14,3 bilhões de reais.

"O cenário interno está bastante indefinido. E para piorar veio essa preocupação com a relação entre China e Estados Unidos", disse o gerente de renda variável da H.Commcor Ari Santos, acrescentando que o mercado acionário deve seguir pressionado até que se tenha mais clareza em relação ao cenário eleitoral.

Nesta segunda, economistas ouvidos pelo Banco Central disseram esperar que o PIB (Produto Interno Bruto) cresça 1,76% em 2018, menos que os 1,94% previstos uma semana antes.

Desde a paralisação dos caminhoneiros, em maio, analistas colocaram números da economia brasileira sob revisão. Um dos setores que vem sofrendo desde então é o financeiro, que poderá conceder menos empréstimos com a desaceleração da economia.

+ Saques do PIS/Pasep colocarão R$ 34,3 bilhões na economia

O destaque negativo do último mês, no entanto, é a Petrobras. O risco de intervenção do governo na estatal para controlar os preços dos combustíveis e a renúncia do presidente Pedro Parente fizeram os papéis da companhia perder mais de 40% em um mês. As ações preferenciais (mais negociadas) terminaram o dia em baixa de 3,47%, a R$ 14,45.

Já a alta do dólar foi contida por nova atuação do Banco Central no mercado de câmbio e avançou 0,29%, a R$ 3,741.

Nesta sessão, o Banco Central injetou US$ 1 bilhão dos US$ 10 bilhões em swap cambial (equivalente à venda de dólar no mercado futuro) anunciados para essa semana com o objetivo de conter a volatilidade da moeda.

Já o Tesouro Nacional fez nova atuação no mercado de títulos públicos, e os contratos de juros futuros negociados na B3 recuaram. Na quarta-feira, o Copom (Comitê de Política Monetária) anuncia a decisão sobre a taxa selic.

De 34 economistas ouvidos pela agência de notícias Bloomberg, 33 esperam a manutenção da taxa em 6,50% ao ano. Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório