Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2020
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

"Errei, mas não sou corrupto", diz Delcídio

"Ele [Lula] e a presidente tentam de forma sistemática obstruir os trabalhos da Justiça, como ficou claro com a divulgação das conversas gravadas entre os dois"

"Errei, mas não sou corrupto", diz Delcídio
Notícias ao Minuto Brasil

22:21 - 23/03/16 por Notícias Ao Minuto

Política Vazamento

O senador e ex-líder do governo no Senado

Delcídio

do Amaral (sem partido-MS) afirmou que o advogado-geral da União José Eduardo Cardozo vazou informações sobre fases da Operação Lava Jato, na época em que era ministro da Justiça, para a presidente Dilma

Rousseff

e outros interessados. O

ex-líder afirmou isso em entrevista à revista "Veja" publicada no sábado (19).

Nas revelações,

Delcídio

afirmou que Cardozo, depois de saber

das operações, dizia: "Ventos frios sopram de Curitiba".

Delcídio

retomou na entrevista denúncias apresentadas em sua

delação premiada

e reafirmou que "Lula e Dilma tinham pleno conhecimento da corrupção na Petrobras".

O senador declarou ainda

que Lula comandava o

petrolão, cujo esquema teria sido herdado pela presidente Dilma

Rousseff, que

também foi beneficiada, uma vez que o esquema teria financiado suas campanhas. " A Dilma também sabia de tudo".

De acordo com a Folha de S. Paulo,

Delcídio

disse querer se redimir com a sociedade auxiliando as autoridades a unir os pontos que faltam para expor o esquema de corrupção. "Errei, mas não roubei nem sou corrupto. Posso não ser santo, mas não sou bandido."

Ele também falou sobre as obstruções à Justiça que estariam sendo promovidas pelo governo: "Ele [Lula] e a presidente tentam de forma sistemática obstruir os trabalhos da Justiça, como ficou claro com

a

divulgação

das conversas

gravadas entre os dois".

A condenação dele seria a redenção dela, que poderia, então, posar de defensora do combate à corrupção.

O ex-presidente teria pedido a

Delcídio

que "procurasse e acalmasse o Nestor

Cerveró, o José Carlos

Bumlai

e o Renato Duque".

Segundo a Veja,

Delcídio

se desfiliou do PT na última terça-feira (15), participou do

ato contra o governo

realizado no domingo (13), em São Paulo.

Em nota, Cardozo negou as acusações de

Delcídio

e afirmou que vai tomar "as medidas judiciais cabíveis, tanto em âmbito criminal, como civil, contra o senador, para que responda por suas declarações caluniosas e difamatórias".

O Palácio do Planalto

classificou como "inverdades" e "absurdas"

as acusações feitas por

Delcídio.

Campo obrigatório