Meteorologia

  • 18 OUTUBRO 2019
Tempo
--º
MIN --º MÁX --º

Edição

João de Deus diz 'não se lembrar' de mulheres que o acusam

Ele também negou que tenha praticado qualquer tipo de crime durante seus atendimentos espirituais

João de Deus diz 'não se lembrar' de mulheres que o acusam
Notícias ao Minuto Brasil

17:19 - 26/12/18 por FolhaPress

Justiça Depoimento

O médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, 76, prestou seu primeiro depoimento ao Ministério Público na manhã desta quarta-feira (26), em Goiás e alegou "não se lembrar" das mulheres que o acusam de abuso sexual.

Ele também negou que tenha praticado qualquer tipo de crime durante seus atendimentos espirituais, de acordo com informações de Alex Neder, um dos advogados que fazem a defesa do médium.

"Ele respondeu a todas perguntas dos promotores. Negou peremptoriamente que tenha cometido qualquer tipo de abuso sexual. Ele sempre fez atendimentos acompanhado de várias pessoas ", disse Neder.

João de Deus está preso preventivamente (sem data para soltura) desde 18 de dezembro, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia sob suspeita de cometer crimes sexuais contra pessoas que procuravam tratamento espiritual.

+Em depoimento, João de Deus volta a negar acusações por crimes sexuais

O médium chegou ao Ministério Público por volta das 10h sob forte escolta policial. Os promotores receberam centenas de denúncias por email de pessoas que se dizem vítimas de crimes cometidos por João de Deus. Desses casos, 77 foram ouvidos pela força-tarefa que integra também agentes da Polícia Civil.

O advogado afirma que João de Deus "está muito debilitado" por causa de sua condição de saúde (ele é cardiopata) e que não recebe atendimento médico no presídio.

Ainda nesta quarta-feira, policiais do Deic (Delegacia Estadual de Investigações Criminais) devem ouvir a mulher de João de Deus, Ana Keyla Teixeira, em Goiás.

O médium nega as acusações de abuso sexual e, em depoimento à polícia ao ser preso, disse que atendimentos individuais numa sala reservada só ocorriam a pedido das próprias mulheres, e não a seu critério.

Em duas operações da polícia com o Ministério Público, na semana passada, a força-tarefa apreendeu R$ 1,6 milhão em espécie, armas, medicamentos em endereços ligados a João de Deus. Em razão das armas sem registro, foi expedido um segundo mandado de prisão.

+'O homem João de Deus é perigoso', conclui Polícia de Goiás

O advogado de João de Deus, Alberto Toron, nega que o dinheiro apreendido seja ilícito. Segundo ele, a quantia era guardada em cofres por medo de assaltos.

Sobre essa investigação, testemunhas estão sendo ouvidas e o médium não deve prestar depoimento esta semana, segundo informou a Polícia Civil.

A polícia concluiu a primeira investigação e indiciou o médium sob suspeita de violação sexual mediante fraude em 20 de dezembro. Isso significa que ela considera que os indícios são suficientes para que o suspeito seja denunciado criminalmente pelo Ministério Público.

Essa investigação tratou, especificamente, da denúncia de uma mulher de 39 anos que contou ter sido abusada em 24 de outubro deste ano.

IMÓVEIS E BENS ACUMULADOS

Na pequena Abadiânia, no interior de Goiás, João de Deus, tem uma lista longa não só de fiéis, mas também de propriedades.

Levantamento da Folha de S.Paulo em cartórios do município tido como centro espiritual do médium aponta 27 registros de imóveis em nome do "João curador".

Destes, 23 estão na área urbana, totalizando 19.725 m², e quatro na zona rural, com 703 hectares, equivalente a 985 campos de futebol com as medidas do Itaquerão.

+João de Deus contrata advogado que defende investigados na Lava Jato

A estimativa é que os imóveis, somados, valham cerca de R$ 20 milhões. O valor foi calculado pela Folha de S.Paulo em consulta a corretores e membros da prefeitura sobre o preço médio praticado na região. A reportagem também buscou anúncios em endereços próximos de cada propriedade.

O patrimônio do médium é um dos focos da investigação do Ministério Público de Goiás devido à perspectiva de pagamento de indenizações às supostas vítimas de violações. Com informações da Folhapress.

Campo obrigatório