Meteorologia

  • 26 MAIO 2019
Tempo
15º
MIN 15º MÁX 15º

Edição

Operação prende 13 que forneciam armas e drogas ao crime no Rio

O grupo é liderado por Edson Ximenes Pedro, conhecido como Pelincha

Operação prende 13 que forneciam armas e drogas ao crime no Rio
Notícias ao Minuto Brasil

16:54 - 17/01/19 por Notícias Ao Minuto

Justiça quadrilha

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu hoje (17) ao menos 13 membros de uma quadrilha responsável pelo fornecimento de armas e drogas para líderes criminosos que atuam em favelas. O grupo é liderado por Edson Ximenes Pedro, conhecido como Pelincha. Ele, sua esposa e seus familiares são proprietários de uma fazenda em Paranhos, no Mato Grosso do Sul, próximo à fronteira com o Paraguai, de onde chegavam os produtos ilícitos. 

"Era uma família que atuava no fornecimento de armas, drogas e munições exclusivas para a principal facção criminosa que atua no Rio de Janeiro, assim como para criminosos do Espírito Santo e do Mato Grosso do Sul", disse o delegado responsável pela operação, Fábio Asty. Segundo Asty, Pelincha era um dos principais fornecedores dos traficantes do Rio e disputava o mercado com Marcelo Pinheiro Veiga, o Marcelo Piloto, preso em 2017.

+ Ataques no Ceará chegam ao 16º dia com explosão e tiroteio

As investigações mostraram que a família usava sua atuação no setor agropecuário para esconder as movimentações ilícitas. Drogas foram transportadas camufladas em caminhões que carregavam grãos, como soja. O delegado diz que Pelincha e seus familiares cuidavam de toda a logística, desde a aquisição até a entrega das drogas e armas. "Eles depositavam os materiais na fazenda e depois faziam um fretamento por meio de transporte rodoviário até os destinatários finais".

+ Psicólogo é preso suspeito de estuprar pacientes durante sessões na BA

A operação foi apelidada de Bad Family e envolvia 19 mandados de prisão preventiva e 18 de busca e apreensão. A Polícia Civil informou ter prendido oitos pessoas no Rio de Janeiro, três no Espírito Santo e duas no Mato Grosso do Sul. Pelincha e sua esposa não foram localizados até o momento. "Pode ser que ele tenha se evadido para o Paraguai", disse Asty.

Também foi feito o bloqueio de nove contas bancárias ligadas à família. A investigação buscará saber o destino final dos recursos. De acordo com Asty, é possível chegar a uma estimativa de movimentação de R$ 200 milhões por ano. Uma única negociação no Complexo do Lins em junho do ano passado teria envolvido 900 quilos de cocaína. Com informações da Agência Brasil.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório